29.10.19




https://renato-curse.blogspot.com/2017/11/livros-catolicos-indispensaveis.html       https://renato-curse.blogspot.com/2017/11/livros-do-palmeiras.html


https://renato-curse.blogspot.com.br/search/label/Palmeirashttps://renato-curse.blogspot.com.br/search/label/wallpaper


http://um-ex-ateu.blogspot.com.br/    https://kdfrases.com/usuario/RenatoCurse



Direita e "Direita Verdadeira": quem tem RAZÃO?


Em meio à gigantesca polarização de ideias que se criou no ambiente político de nosso país, o que mais tenho a lamentar, especialmente naquilo que agora chamam de Verdadeira Direita Brasileira, é a atual conivência com o que está flagrantemente errado, incorreto, imoral... A expressão "passar pano", que nada mais é que ser conivente ou passivo diante dos erros de alguém e que, aliás, foi lugar-comum nas táticas políticas da esquerda durante décadas, parece apenas ter mudado de lado, ou seja, agora virou lugar-comum em parte da direita brasileira também. 
O que vejo atualmente é uma polarização na polarização! Pessoas que há menos de um ano defendiam e lutavam pelas mesmas pautas (dentro da esfera política), agora simplesmente se digladiam, se atacam, se ofendem; cada qual defendendo seus pontos de vista com unhas e dentes, protagonizando assim um verdadeiro espetáculo pra esquerdista nenhum botar defeito. 
E quem está certo? Quem está errado?
Cada um que tire suas próprias conclusões; mas, do meu ponto de vista, ninguém tem razão quando defende ou "passa pano" para aquilo que está explicitamente errado. Em se tratando de governo (ou do que quer que seja), há que se enaltecer e elogiar sim os acertos ou os benefícios oriundos de uma ação governamental, mas também há que se questionar, advertir e até cobrar, com o legítimo e inalienável direito de cidadão eleitor, os governantes que ajudamos (ou não) a eleger. E que seja cobrado publicamente sim, especialmente por aqueles que têm maior alcance ou maior expressividade. 

Passei anos e anos de minha vida defendendo o que hoje considero indefensável (p. ex.: aborto, anarquismo, ateísmo...), militando em prol de causas sociais das chamadas "minorias" e sendo conivente com os erros, as táticas, as estratégias e, consequentemente, com as ações da esquerda política que dominou nosso país nas décadas anteriores. Aprendi, com todos os meus erros de militante esquerdista, que não se pode e não se deve ser conivente com os erros, conivente com o mal. Esta lição eu nunca desaprenderei e não há filósofo algum no mundo, com suas toneladas de argumentações, que me fará esquecê-la. 
Pra ser sincero, depois que abandonei a esquerda política, nunca me senti plenamente integrado à direita brasileira, ainda que simpatizando-me com a maioria de suas pautas no âmbito social e moral. Hoje não faço questão alguma de me incluir nela; não nesta atual Direita Brasileira, que tanto arroga para si a alcunha de "Verdadeira", e que, através de suas ações, acaba se assemelhando muito à esquerda que tanto abomino agora. A atual direita tem sido para mim uma grande decepção (na esquerda nada me surpreende).
Vejo alguns cidadãos, metidos a "cientistas políticos" ou a intelectuais "influenciadores", manifestando em suas redes sociais (especialmente na plataforma do YouTube) um apoio cego e incondicional ao atual presidente (que, inclusive, foi meu candidato), bradando como histéricos que devemos apoiá-lo em todos os sentidos e que não devemos publicamente apontar os seus erros, mas apenas os seus acertos. Vejo muitos deles falando em "razão" como se esta pertencesse única e exclusivamente a eles; vejo-os tentando a todo custo convencer a si próprios e a seus "seguidores" que o errado agora é o certo, que a mentira agora pode ser verdade, que a imoralidade agora pode ser praticada em nome de uma "causa maior". 
Se cogita-se que o errado agora pode ser certo e "direito", 
é inegável que A DIREITA ESTÁ ERRADA! 

Não abandonei a esquerda para compactuar ou ser conivente com esta direita MALIGNA, não mesmo! E se estou plenamente convicto de que jamais aceitarei o rótulo de esquerdista novamente, também posso assegurar que nunca mais quero ser taxado "de direita". De hoje em diante, o único rótulo que levarei com orgulho e com a certeza de jamais me arrepender (ou decepcionar-me comigo mesmo) é o de CRISTÃO, CATÓLICO. Me permitirei apenas ser doutrinado por Cristo, pela Igreja! 

Não se combate o mal usando de artifícios malignos! Não se combate a mentira sendo conivente com ela! Não se combate um erro cometendo outros erros! E o principal: NÃO SE TRATA UM PRESIDENTE (ou qualquer outro governante) COMO UM DEUS! Não se trata um filósofo como dono da razão! Nenhum político, eleito democraticamente, pode estar (ou ser) impassível às críticas; nenhum político pode estar acima do jugo popular! Abra-se estas exceções e teremos um corrupto ou até um ditador no poder!
Todo aquele que diz apoiar incondicionalmente qualquer político, ainda que este político (seja ele quem for), esteja cometendo diversos erros, ou é muito "puxa-saco" (remunerado ou não) ou tem seríssimas deficiências cognitivas, especialmente no que diz respeito ao espectro político. E se, por acaso, esta pessoa afirmar-se cristã, o caso é ainda mais grave, já que além de deficiência cognitiva no âmbito político, ela tem também no campo religioso, por compactuar com a mentira, com o erro, com o engano.

Alguns tentam lançar mão do seguinte argumento: "Não podemos criticar publicamente nosso governo de direita porque a esquerda já o faz em demasia". Tal argumentação, além de ingênua é infundada, pois se estamos alinhados com as políticas de um determinado governo, nossa OBRIGAÇÃO é fiscalizá-lo, questioná-lo e (se errar) criticá-lo sim! É nosso dever fazer a nossa parte para que um governo prospere junto com seu povo, mas isto nunca acontecerá se fecharmos os olhos diante de seus erros, e muito menos se tal governo sentir-se totalmente chancelado por seus eleitores sempre que cometer algum novo erro. 
O Brasil chegou nesta atual situação caótica porque durante décadas o que mais se fez foi "passar pano", "jogar a sujeira pra debaixo do tapete" e "fazer vista grossa" para os erros de nossos governantes. E eis que agora me deparo com os críticos agindo como os antes criticados e os combatentes usando os mesmos artifícios que seus oponentes usaram num passado bem recente: a mentira, a trapaça, a tentativa de destruir reputações! Não, vocês não têm razão mesmo!

Impassível de críticas ou contestações, só DEUS, só o DIVINO!

E a quem é cristão: quem coloca "princípios" políticos, econômicos, sociais, etc.. acima dos princípios e dos preceitos cristãos, está fatalmente sujeito e fadado à sua própria auto-destruição moral!

Quem compactua com a mentira e com o erro, ainda que sob o pretexto de defender uma "causa maior" (seja ela qual for), amanhã poderá ser vítima de sua própria submissão e conivência. 



Renato J. Oliveira                    29 de outubro de 2019




"Maldito o homem que confia em outro homem, que da carne faz o seu apoio e cujo coração vive distante do Senhor!"
 (Jeremias, 17,5)














24.2.19

O hipócrita compulsivo e sua carência de virtudes




Se há algo que me irrita e me incomoda profundamente no ser humano é a HIPOCRISIA compulsiva.
Claro, todos nós, ao longo de nossa existência, provavelmente já fomos hipócritas em alguns momentos, mas acredito que isso está dentro da normalidade, dentro daquilo que é aceitável, afinal, não somos perfeitos, não somos santos. Todos nós já fomos mentirosos, parciais, apaixonadamente partidários (de seja lá o que for) e HIPÓCRITAS em vários momentos de nossa existência, ainda que não percebamos de fato - ou neguemos para nós mesmos - quando isto ocorre, simultaneamente falando. Muitas vezes só nos damos conta de nossa hipocrisia dias, semanas, meses ou até anos depois de nos escudarmos equivocadamente dela. Já os compulsivos, envenenados pela soberba pessoal, jamais vão admitir que em determinado momento foram hipócritas. Estes certamente serão hipócritas por toda a vida; são os hipócritas recorrentes e incuráveis. Exclusivamente a estes dedico as próximas linhas e passarei a nomeá-los apenas como hipócritas.
Geralmente estas pessoas apresentam desvios graves tanto de caráter quanto de personalidade, opinião, conduta e principalmente de sanidade mental. Por mais que errem, jamais admitirão publicamente seus erros e é aí que reside a característica mais gritante de sua hipocrisia, já que por muitas vezes você as verá repetindo e frisando justamente o contrário, ou seja, afirmarão que se errarem, assumirão seus erros.
Todo hipócrita é inevitavelmente um mentiroso compulsivo.

HIPOCRISIA E MENTIRA
O hipócrita lança mão da mentira e sempre que é desmascarado e desmentido sua hipocrisia vem à tona ainda mais incisiva e incoerente (embora saibamos que coerência e hipocrisia não convergem em nada). Ainda que diga coisas que configurem mentiras até absurdas, para o hipócrita será relativamente fácil desviar o foco delas, pois certamente está acostumado a ser, até com certa maestria, ambos ao mesmo tempo: mentiroso e hipócrita. Sem um pingo de vergonha na cara, além de mentir sobre um fato que tenha sido contestado, o hipócrita fará uso da mentira também contra quem ousou o contestar; ele destilará todo seu ódio, ainda que este venha camuflado com sua habitual hipocrisia.
Todo hipócrita é inevitavelmente um odiador compulsivo.

HIPOCRISIA E ÓDIO
O hipócrita não odeia apenas seu contestador, mas a própria verdade em si. Quando a verdade lhe é exposta com toda sua plenitude, detalhada e incontestavelmente verídica, o hipócrita, que defende sua VERDADE INVENTADA (sabe-se lá por quem), ainda que não tenha, diante do que lhe é exposto, um ÚNICO argumento palpável, plausível ou coerente para apresentar, passará a nutrir um profundo ódio contra aquele que o confrontou com a verdade, ao expor-lhe sua hipocrisia. De maneira até previsível, ele tentará apagar todos os rastros e vestígios que demonstrem o quão hipócrita, mentiroso e odiador ele é. O problema (para ele, claro) neste caso é que em sua prática constante de subestimar a inteligência de outras pessoas, esquece-se que alguns rastros e vestígios jamais podem ser apagados por completo, especialmente quando a profundidade dos rastros causa impacto, deixando uma espécie de "marca" permanente e indelével, ainda que não seja vista a olho nu. Em outras palavras, por mais que o hipócrita tente, ele jamais conseguirá ocultar ou apagar completamente as PROVAS que produziu contra si mesmo. Costumamos dizer que o ódio cega e talvez seja esta a principal razão de o hipócrita ser praticamente incapaz de enxergar além de seu próprio ego, o que também explica sua mania de subestimar a inteligência daqueles que o desmascaram ou o confrontam.
O hipócrita odeia. Assim como ele odeia admitir que é MENTIROSO (com ou sem culpa), também odeia todo aquele que insistir para que ele admita que mentiu ou se equivocou. Uma vez movido por seu ódio pessoal, o hipócrita fará ataques covardes, desleais e repletos de indiretas, afinal, como todo bom autêntico HIPÓCRITA que se preze, falar ou dirigir-se diretamente é algo que ele é quase incapaz de fazer. As indiretas são uma especialidade dos hipócritas, já que todos eles, sem nenhuma exceção, são COVARDES por natureza.
Todo hipócrita é inevitavelmente um covarde compulsivo.

HIPOCRISIA E COVARDIA
O hipócrita, como nem poderia deixar de ser, faz questão de mostrar-se firme, forte e corajoso quando está se posicionando publicamente a respeito de algo, mas no fundo é um grande covarde. A maioria dos hipócritas compulsivos costuma fazer uso de ameaças e ofensas pessoais, mas quando são tratados como costumam tratar outras pessoas, fazem-se de vítimas, tentando inverter a ordem dos fatos e, consequentemente, a situação a seu favor. Um simples debate de ideias com um hipócrita desta "estirpe" pode transformar-se em ameaça de processo por calúnia e difamação mesmo se o caluniado e difamado for o debatedor, afinal, um hipócrita não tem escrúpulos e muito menos senso de justiça. Ainda que seja o mais ferrenho crítico da vida alheia e de todas as pessoas a seu redor (que não o bajulem, claro), o hipócrita jamais admite que façam o mesmo com ele, como se estivesse acima de qualquer julgamento ou opinião, como se só ele tivesse o direito de se expressar, de criticar, de denunciar...
Mas, mesmo soltando suas frequentes indiretas e demais provocações, quando o hipócrita for concretamente confrontado e encontrar-se pressionado, não hesitará em fugir e se esconder, mas obviamente isto é algo que ele jamais admitirá. O orgulho lhe cega.
Todo hipócrita é inevitavelmente um orgulhoso compulsivo.

HIPOCRISIA E ORGULHO EXCESSIVO
Admitir um erro nem sempre é uma das tarefas mais fáceis, mas para uma pessoa sensata, por mais difícil que isso seja, é praticamente uma obrigação, ainda mais se o erro for público ou ganhar importantes ou significativas proporções - e não importa se o erro foi proposital ou não. Uma pessoa sensata, ao tomar conhecimento de seu equívoco, também tomará as medidas necessárias para que seu erro não seja difundido e, consequentemente, perpetuado, mas o hipócrita, embriagado por seu orgulho e por sua soberba pessoal, vai ficar muito mais preocupado em usar de suas artimanhas (geralmente vis e desleais) para tentar desviar o foco de seu(s) erro(s) e, se possível, atingir ou desqualificar aqueles que tenham ousado apontar suas incongruências, do que tentar ao menos reparar seus possíveis erros. Despudoradamente, valendo-se de suas mentiras e soberba habituais, o hipócrita conseguirá enganar até a si mesmo, levando-o inclusive acreditar que está coberto de razão, ainda que esteja flagrante e completamente errado.
Todo hipócrita é inevitavelmente um soberbo compulsivo.

HIPOCRISIA E SOBERBA EXCESSIVA
O sentimento de superioridade sobre a grande maioria das pessoas é uma característica bastante comum dos hipócritas a que este texto se refere. E é justamente esta característica que acaba por derrocá-lo (cedo ou tarde), já que (como já dito anteriormente) a soberba acaba levando-o a subestimar a capacidade e a inteligência daqueles que o desmascaram, e estes, por sua vez, que têm como arma apenas a VERDADE, sempre sobressairão-se sobre o hipócrita soberbo (cedo ou tarde).
Além de ter uma imensa dificuldade em aceitar a verdade (ou a realidade), o hipócrita também tem dificuldade em lidar com pessoas que não tenham a pretensão de lhe bajular de alguma forma. E a razão (na verdade, causa) é muito simples: sua soberba pessoal. O hipócrita geralmente projeta sobre si mesmo uma imagem superdimensionada de sua pessoa, de sua vida ou de seu trabalho e, ainda que sua personalidade, sua biografia e seu trabalho sejam medíocres, ele jamais admitirá qualquer tipo de crítica a eles, mesmo se tais críticas forem consistentes e pertinentes. Não raramente veremos muitos hipócritas exaltando a si mesmos como se fossem verdadeiros baluartes da glória e da grandeza. Neste sentido, a bajulação é um traço indispensável em toda amizade que o hipócrita faça, ou seja, na medida em que a bajulação e os encômios forem diminuindo, a camaradagem fatalmente se esfriará, podendo inclusive a relação entre hipócrita e bajulador (ou "ex-bajulador") transformar-se em inimizade de um dia para o outro, de repente. O hipócrita consegue transformar um amigo em inimigo com a maior naturalidade do mundo e, com a mesma facilidade, transforma "verdade" em "mentira", herói em vilão, certo em errado (e etc.), tudo de acordo e conforme suas conveniências, apenas para sustentar sua hipocrisia. A contradição, entre todas as outras características negativas apontadas até aqui, talvez seja a mais usual e comum dos hipócritas (quase sempre alinhada à mentira, claro).
Todo hipócrita é inevitavelmente um contraditório compulsivo.

HIPOCRISIA E CONTRADIÇÃO EXCESSIVA
Em 2007 escrevi uma frase que dizia: "Excetuando-se a essência, somos o que hoje somos e não o que ontem fomos". Qual seria a essência ou característica principal de um hipócrita? Além de sua hipocrisia, talvez a falta de personalidade (e de palavra) seja o que melhor o define, já que suas opiniões podem mudar drasticamente de um dia para o outro, quer seja para sustentar uma mentira ou simplesmente para atingir determinada pessoa (só para citar dois exemplos). As pessoas de boa fé, conforme vão evoluindo ou aprendendo coisas novas, vão também reformulando suas ideias e convicções de acordo com o que absorveram (de bom ou de ruim), e mesmo quando escolhem um caminho errado nunca o fazem propriamente para sustentar uma hipocrisia (e quando o fazem, não tardam em admitir o equívoco). Já o hipócrita, guiado pela mentira, movido pelo ódio, escudado pela covardia, embriagado pelo orgulho, pela soberba e pela contradição, vai inclusive deixar de acreditar que o sal é salgado se isso lhe parecer conveniente à sua hipocrisia. E ainda que seja notória e flagrante sua incoerência, ele chamará sua drástica mudança de postura de evolução!

Enfim, a hipocrisia em excesso quase sempre provém de mentes doentias ou, no mínimo, afetadas por algum tipo de transtorno ou trauma pessoal (geralmente de infância) que assemelha-se muito à mitomania e, nos casos mais graves, à Síndrome de Alice no País das Maravilhas (Síndrome de Todd), tamanho o grau de aparente insanidade mental que alguns hipócritas compulsivos apresentam. Sem nenhum exagero, beira à demência, literalmente.
Mas, como não me atrevo a falar com autoridade daquilo que desconheço ou não domino, faço questão de deixar muito claro que esta conclusão final não passa de uma observação, uma ponderação pessoal (no máximo, uma analogia de um leigo em patologia) que não pretende de forma alguma dar um diagnóstico definitivo acerca do comportamento dos muitos hipócritas compulsivos espalhados pelo globo terrestre. Cada caso é um caso, mas, sem a pretensão de também generalizar, arrisco afirmar, até como uma conclusão do presente texto, que realmente acredito que o hipócrita compulsivo apresente todos ou quase todos os aspectos e características aqui mencionados. Resumindo: O HIPÓCRITA COMPULSIVO É TAMBÉM UM MENTIROSO, ODIADOR, COVARDE, ORGULHOSO, SOBERBO E CONTRADITÓRIO COMPULSIVO. Podemos assim afirmar, munidos de toda razão e bom senso, que é uma pessoa digna de pena, digna de misericórdia (sobretudo, divina). Que DEUS tenha piedade!


Renato J. Oliveira                     fevereiro de 2019






26.11.18

Palmeiras: DECACAMPEÃO BRASILEIRO!


https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/253416--Palmeiras_Primeiro_Campeao_Mundial_de_Clubes

Pois é, caro palmeirense, num futuro (creio eu) não muito distante, não poderemos mais contar nos dedos da mão os "Brasileirões" de nossa Sociedade Esportiva Palmeiras. O Verdão, que aliás já havia se isolado em conquistas nacionais, ao sagrar-se Decacampeão Brasileiro, deixou os rivais ainda mais distantes de sua supremacia. Agora são 10 BRASILEIRÕES, 3 COPAS DO BRASIL e 1 COPA DOS CAMPEÕES, ou seja, são 14 TÍTULOS NACIONAIS de expressão. 
O Decacampeonato, conquistado com uma rodada de antecedência, na vitória por 1x0 sobre o Vasco da Gama, coroou um trabalho primoroso da presidência, comissão técnica, jogadores e demais profissionais do Verdão; um trabalho inquestionável. E os números não mentem. Eis a reprodução de um texto (de Felipe Krüger), extraído do site do Palmeiras, a respeito destes números*:

A campanha palmeirense contou com 22 vitórias, 12 empates e apenas 4 derrotas. O Alviverde marcou 61 gols e foi vazado 24 vezes. Foram 18 jogos em casa, sendo 14 no Allianz Parque e 4 no estádio do Pacaembu, com 15 vitórias, 2 empates e uma única derrota, e 19 longe de seus domínios – 7 triunfos, 9 igualdades e 3 reveses.
Campeão com 77 pontos e uma rodada de antecedência, o Alviverde terminou o primeiro turno na 6ª posição, com oito pontos de distância para o Flamengo, até então líder do torneio. A histórica campanha na segunda metade da competição, no entanto, foi mais do que suficiente para trazer o título para o Palestra Itália.
Foram 44 pontos em 18 jogos do segundo turno até aqui, com 18 partidas sem ser derrotado. Antes de o segundo turno começar, inclusive, o Verdão já somava três partidas de invencibilidade. O time chegou a 23 duelos invictos, que é o recorde de invencibilidade da era dos pontos corridos (ou seja, a partir de 2003), superando as 19 partidas sem revés do rival Corinthians, sequência obtida em 2017.
Os comandados de Luiz Felipe Scolari já haviam batido a marca de 15 jogos consecutivos de invencibilidade conquistada no Brasileiro de 2016, então ano do último título brasileiro, e superou os números do time de 1997/1998, que ficou 18 embates invicto em duelos válidos pela competição. A próxima marca invicta em Brasileiros a ser atingida é de 1994, com 23 encontros sem derrotas (empatou), e, depois, 26 partidas impostas entre 1972 e 1973 (série recordista).
Além de ter somado mais pontos do que o restante dos clubes do Campeonato Brasileiro, o Verdão liderou diversos quesitos ao longo da competição: mais vitórias (23), menos derrotas (4), melhor ataque (64), melhor defesa (-26) e melhor saldo de gols (38), além de, segundo números do Footstats contabilizados até a 36ª rodada, ser o clube que mais dribla (247), mais intercepta bolas (212), mais desarma (811), mais faz lançamentos (1578) e mais faz viradas de bola (161).
Ao longo da competição, o time foi dirigido por dois técnicos: Roger Machado (6 vitórias, 5 empates e 4 derrotas) e Luiz Felipe Scolari (16 vitórias e 5 empates), além de Wesley Carvalho (uma vitória) e Paulo Turra (um empate), que utilizaram, ao todo, 29 atletas. Treinador mais vitorioso do país, Felipão conquistou o Brasileirão pela segunda vez – a primeira foi em 1996, pelo Grêmio.
O meio-campista Lucas Lima lidera a lista de atletas do Palmeiras que mais atuaram na competição nacional – foram 33 jogos, enquanto Bruno Henrique e Willian, empatados na segunda colocação, jogaram 32 vezes. A artilharia da equipe verde e branca, até aqui, está com o próprio Willian, que balançou as redes 10 vezes, seguido por Deyverson, com 9 gols. Já o responsável do time por mais assistências no campeonato foi Dudu (12).
No elenco campeão deste ano, 11 jogadores também fizeram parte da vitoriosa campanha do título do Brasileirão de 2016 e, portanto, são bicampeões pelo clube: os goleiros Fernando Prass e Jailson, os zagueiros Edu Dracena e Thiago Martins, os meio-campistas Thiago Santos, Jean, Moisés, Vitinho e Tchê Tchê e os atacantes Artur e Dudu. Destaque para Jean e Edu Dracena, além do atacante Willian, que foram campeões pela quarta vez em suas carreiras, entrando para uma seleta lista de profissionais que venceram ao menos um título da competição pelo Alviverde e são tetracampeões – o grupo conta com o goleiro Emerson Leão, o zagueiro Antônio Carlos Zago e o volante Amaral, que estão atrás do trio de meio-campistas pentacampeões Dudu, Ademir da Guia e Zinho.

Dos 19 adversários do Alviverde no campeonato, a equipe venceu 18 deles ao menos uma vez. Apenas o Flamengo não foi superado pelo Verdão nesta edição do Brasileirão – os times empataram em 1 a 1 os dois jogos.

* Atualizado em 02/12/2018


https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/253416--Palmeiras_Primeiro_Campeao_Mundial_de_Clubes


CAMPANHA COMPLETA:
PRIMEIRO TURNO
Botafogo 1 x 1 Palmeiras
Palmeiras 1 x 0 Internacional
Palmeiras 0 x 0 Chapecoense
Atlético-PR 1 x 3 Palmeiras
Corinthians 1 x 0 Palmeiras
Palmeiras 3 x 0 Bahia
Palmeiras 2 x 3 Sport-PE
Cruzeiro 1 x 0 Palmeiras
Palmeiras 3 x 1 São Paulo
Grêmio 0 x 2 Palmeiras

Ceará 2 x 2 Palmeiras
Palmeiras 1 x 1 Flamengo
Santos 1 x 1 Palmeiras

Palmeiras 3 x 2 Atlético-MG
Fluminense 1 x 0 Palmeiras
Palmeiras 3 x 0 Paraná
América-MG 0 x 0 Palmeiras
Palmeiras 1 x 0 Vasco da Gama
Vitória 0 x 3 Palmeiras
 

SEGUNDO TURNO:
Palmeiras 2 x 0 Botafogo
Internacional 0 x 0 Palmeiras
Chapecoense 1 x 2 Palmeiras
Palmeiras 2 x 0 Atlético-PR
Palmeiras 1 x 0 Corinthians

Bahia 1 x 1 Palmeiras
Sport-PE 0 x 1 Palmeiras
Palmeiras 3 x 1 Cruzeiro
São Paulo 0 x 2 Palmeiras
Palmeiras 2 x 0 Grêmio
Palmeiras 2 x 1 Ceará

Flamengo 1 x 1 Palmeiras
Palmeiras 3 x 2 Santos
Atlético-MG 1 x 1 Palmeiras
Palmeiras 3 x 0 Fluminense
Paraná 1 x 1 Palmeiras
Palmeiras 4 x 0 América-MG
Vasco da Gama 0 x 1 Palmeiras
Palmeiras 3 x 2 Vitória 















https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/253416--Palmeiras_Primeiro_Campeao_Mundial_de_Clubes

https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/253416--Palmeiras_Primeiro_Campeao_Mundial_de_Clubes

https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/253416--Palmeiras_Primeiro_Campeao_Mundial_de_Clubes


https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/253416--Palmeiras_Primeiro_Campeao_Mundial_de_Clubes

https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/253416--Palmeiras_Primeiro_Campeao_Mundial_de_Clubes




 PARABÉNS SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS, O MAIOR CAMPEÃO DO BRASIL!
Parabéns a todos os envolvidos nesta brilhante conquista: Presidência (gestão Maurício Galiotte), comissão técnica (grande Felipão!), jogadores, todos os profissionais e claro, aos torcedores do CAMPEÃO DO SÉCULO!

 _________________________________________



ADQUIRA OS LIVROS:


https://www.clubedeautores.com.br/book/255816--Titulos_e_Conquistas_do_Campeao_do_Seculo
284 Páginas





https://www.clubedeautores.com.br/book/253416--Palmeiras_Campeao_Mundial_Campeao_das_5_Coroas

264 PÁGINAS

UM LIVRO HISTÓRICO!

EDIÇÃO ILUSTRADA.





https://www.clubedeautores.com.br/book/255048--O_Almanaque_do_Derby_Paulista

456 PÁGINAS

Além de embarcar na história do Derby paulista, de sentir e imaginar o clima de tantas e tantas pelejas marcantes que construíram essa rivalidade, o leitor também terá a oportunidade de acompanhar os detalhes mais memoráveis da história da Sociedade Esportiva Palmeiras, como por exemplo, o dramático episódio da mudança de nome, e a luta contra o “sistema”. Os grandes erros de arbitragem desde os primeiros embates, os erros que determinaram derrotas e até perdas de campeonatos...


Relação de todos jogos do Derby Paulista;

Fatos Históricos;

Todos os títulos;

Edição ilustrada


_________________________________________





122 páginas


TUDO SOBRE A MAIOR HUMILHAÇÃO QUE O CORINTHIANS SOFREU EM TODA SUA HISTÓRIA.

TUDO SOBRE A CAMPANHA DE 1933 (ANO EM QUE O FUTEBOL FOI PROFISSIONALIZADO NO PAÍS).


Edição Ilustrada.








Clique AQUI para acessar todas as matérias referentes ao Palmeiras


Baixe o CD Eternamente Palmeiras
http://www.mediafire.com/file/q5m30014ok9x986/Eternamente+S.E.+Palmeiras.rar

DOWNLOAD










29.8.18

A pedofilia na Igreja Católica

https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/240941--A_Igreja_Catolica_e_o_Abuso_sexual_de_menores

Nos últimos tempos tem sido quase que uma constante as manchetes dos meios de comunicação alardeando escândalos sexuais envolvendo sacerdotes da Igreja Católica que teriam abusado de menores de idade, especialmente nos Estados Unidos (onde deu-se o estopim dessas denúncias em massa) e agora, mais recentemente, no Reino Unido. Aqui no Brasil, o país mais católico do mundo, esses escândalos também caíram como uma bomba, surpreendendo, frustrando, envergonhando e revoltando muita gente. Entre os católicos menos informados, a influência dessas notícias tem levado à apostasia especialmente aqueles que são (ou eram) católicos só de nome, ou seja, os católicos não praticantes, aqueles que, por desconhecimento da matéria em si, deixam-se levar pelos ataques sem se dar conta que é justamente esse o propósito principal daqueles que ecoam esses escândalos: abalar as estruturas da Igreja Católica e levar à apostasia em massa.
Aos poucos está se impregnando no imaginário popular a figura do "padre pedófilo" e de uma Igreja corrompida, como se o celibato e o catolicismo fossem uma espécie de antro expoente de um crime tão repugnante, ou pior: coniventes e acobertadores desse delito.
A impressão que muitas vezes fica no ar é a de que, quando o assunto é religião, a pedofilia só acontece e só existe na Igreja Católica, como se nas outras religiões este crime lamentável e vergonhoso não ocorresse, como se apenas os sacerdotes se envolvessem em tais escândalos. Dificilmente se vê notícia desses abusos em igrejas protestantes, especialmente na TV brasileira onde muitas emissoras recebem dinheiro de igrejas evangélicas e neopentecostais. E o que dizer da América do Norte e Europa, onde o protestantismo tem raízes muito mais profundas e sua (má) influência é muito maior que aqui? 
Mas o que há de verdade em toda essa história? Será que a Igreja Católica é a instituição religiosa onde mais se comete o crime de pedofilia? Será que o celibato é o maior culpado e motivador dos abusos que têm ocorrido? Será que a Igreja não tem feito nada para punir os acusados? Será que o Papa não tomou nenhuma medida para evitar que isso volte a acontecer?
Discorrerei sobre esta e várias outras questões envolvendo o assunto ao longo deste artigo, mas primeiro é de suma importância reconhecer, ainda que envergonhado, que muitos desses abusos realmente aconteceram e certamente seguem e seguirão (espero que com menos incidência ainda) acontecendo. A razão, diferentemente das motivações, é bastante simples: a Igreja Católica tem duas naturezas: divina e humana. Como divina, já que foi instituída pelo próprio Jesus Cristo, ela seguirá até o fim dos tempos, conforme a promessa do próprio Deus-Cristo, quando deu a Pedro as chaves do Reino dos céus instituindo-o como primeiro chefe (Papa) dela. Como divina, temos a garantia que nem as portas do inferno prevalecerão contra ela e, como temos visto ao longo desses dois mil anos, apesar de ser a instituição religiosa mais perseguida e atacada de todos os tempos, a Igreja Católica segue inabalável, enquanto todos os seus inimigos perecem século após século.
Entretanto, a natureza humana da Igreja, como nem poderia deixar de ser, já que o homem é imperfeito, também cometeu (e fatalmente seguirá cometendo) vários excessos ao longo de sua história, justamente porque o homem, quando se afasta de sua doutrina e de seus ensinamentos, sujeita-se a todo tipo de corrupção, o que o leva a cometer os mais abomináveis crimes. 
Mas, engana-se quem imagina que a pedofilia está predominantemente atrelada apenas à religião católica ou ao celibato. A realidade aqui é muito diferente do que se apresenta à primeira vista.
Comecemos com um rápido raciocínio mental. Alguns atribuem a culpa desses escândalos ao voto de castidade exigido pelo celibato; é muito comum ouvir comentários maldosos do tipo: "os padres pedófilos abusam de menores porque estão proibidos de fazer sexo" ou "se a Igreja permitisse que os padres se casassem, esses abusos não aconteceriam". Pois bem, façamos agora o breve raciocínio mental: se um homem que se dedica anos ao aprendizado de práticas religiosas (nos Seminários) que estimulam justamente o oposto de tais ações e que educam para uma vida casta, é capaz de cometer esses abusos contra menores, mesmo sabendo que o sexo está absolutamente reservado aos casais que se unem sob as bênçãos de Deus e que a pedofilia, especialmente nesse caso, é um pecado mortal e imperdoável, o que estará sujeito a cometer um líder religioso que esteja habituado aos prazeres carnais? Quem estaria mais sujeito ou vulnerável a cometer abusos contra menores: um padre inescrupuloso ou um pastor inescrupuloso?
Poderíamos tirar nossas conclusões muito mais facilmente se os números e as estatísticas dos abusos desse tipo cometidos em outras religiões fossem tão explícitos e divulgados como o são em relação à Igreja Católica. Mas, não é porque não são tão expostos que tais abusos não existam em outras religiões, muito pelo contrário, pois como veremos, eles são muitíssimo maiores do que aparentam ser.

Comecemos falando dos Estados Unidos, berço das denúncias de pedofilia envolvendo sacerdotes. De 1950 a 2002, ou seja, um período de mais de 50 anos, foram denunciados nos EUA exatamente 4.392 sacerdotes supostamente envolvidos com o crime de pedofilia. Apesar de parecer um número até elevado, nem todos esses sacerdotes denunciados realmente cometeram qualquer tipo de abuso e muitos deles conseguiram provar sua inocência contra caluniadores que só estavam interessados nas altíssimas indenizações pagas pela Igreja às vítimas reais de abusos. O que há de concreto é que destas 4.392 denúncias, apenas 958 foram levadas a cabo pela justiça e deste total apenas 54 sacerdotes foram condenados, já que as outras denúncias careciam de provas contundentes. Em muitos casos, para dificultar as investigações e uma possível confirmação do abuso, acusava-se (como vem acontecendo hoje em dia) sacerdotes que já haviam morrido e que portanto não podiam se defender das acusações. Muitas destas denúncias comprovaram-se falsas. Porém, o mais importante a ser enfatizado nessas denúncias envolvendo sacerdotes norte-americanos e que, por escancarada má fé, os meios de comunicação jamais levam a conhecimento, é que neste período de 1950 a 2002 houve um contingente de mais de 109 mil sacerdotes! Ou seja, de 109 MIL padres apenas 54 realmente cometeram esses abusos, o que representa muito menos de 1%.

Pois bem, agora façamos uma comparação. Apenas no ano de 1993 mais de 400 clérigos protestantes e afins (nenhum ligado à Igreja Católica) foram denunciados nos Estados Unidos pelo crime de pedofilia. Em um único ano, mais de 400 denúncias contra clérigos episcopais, metodistas, luteranos, presbiterianos e gregos ortodoxos! Ainda nos Estados Unidos, destacam-se os casos de Gerald Patrick Thomas (conhecido pastor luterano condenado a 397 anos de prisão), William Edward Thompson (pastor episcopal, casado e pai de quatro filhos), Stephen Plummer (bispo da diocese episcopal de Navajoland), Wallace Frey (de Nova Iorque), David Johnson (bispo episcopal de Boston, que suicidou-se após as denúncias), e os "tele-evangelistas" Jimmy Swaggart, Jim e Tammy Bakker. O jornal Los Angeles Times de 25 de março de 2002 divulgou uma pesquisa realizada entre os membros da Igreja Batista em 1993 em que revelou-se que 14% dos ministros haviam tido alguma conduta sexual imprópria e 70% afirmaram conhecer algum ministro que já teve.
"Em uma pesquisa do Christian Ministry Resources (CMR) sobre 1.000 igrejas protestantes dos Estados Unidos, afirmou-se que as denúncias de abusos sexuais em uma década eram de 70 por semana, tendo diminuído a partir de 1997. James Cobble, diretor da CMR, afirmou que "os católicos tem chamado a atenção da mídia, mas o problema é muito maior nas igrejas protestantes."
Anson Shupe, da universidade de Indiana, disse que poderiam ser mais de 70 por semana. Ele visitou 1.607 famílias, casa por casa, e em 4% delas algum membro havia sido vítima de abuso por clérigos ou outros membros de igrejas protestantes." (1)
O próprio Anson Shupe afirmou: "Os católicos tem tomado toda a atenção da mídia, mas o problema é ainda maior no interior das igrejas protestantes. E 21% das denúncias reportadas se encerraram nos tribunais ou em acordos fora da corte."
"A Associated Press declarou que três companhias de seguros de igrejas protestantes dos Estados Unidos receberam 260 denúncias de abuso sexual de menores em um ano. Há que considerar que muitas igrejas não tem seguros e não contabilizam seus casos de abusos de menores, o que indica que esses casos são muito maiores que os da Igreja Católica.
Gary Schoener, psicoterapeuta de Mineápolis, recebeu durante 10 anos, mais de 2.000 denúncias de abusos sexuais entre os protestantes.
De acordo com Jenkins: "Alguns dos piores casos de abuso repetido por clérigos referem-se a ministros batistas e pentecostais, em vez de padres católicos. Cada denominação cristã tem tido sua lista de abusos. Este pesadelo, além de afetar os católicos, tem afetado protestantes, judeus, mórmons, testemunhas de Jeová, budistas e até devotos de Hare Krisna."
Philip Jenkis ainda afirma: "A diferença entre a atitude da mídia (contra a Igreja Católica) dificulta a comparação com os abusos em outras denominações protestantes. Porém, não é difícil encontrar numerosos escândalos em todo o espectro das denominações protestantes que frequentemente envolvem altos membros de sua igreja. Como disse um clérigo episcopal: "Infelizmente, a pedofilia é ecumênica, o que é um ponto de vista totalmente contrário à imagem do sacerdote católico pedófilo"." (2)

"Quem pensa que o problema é o celibato dos sacerdotes deveria pelo menos explicar porque no clero protestante, onde o casamento é permitido, há muito mais casos que no clero católico."
(Cardeal Caffarra)

Deixemos os protestantes de lado por enquanto. Entre os judeus, as denúncias envolvendo pedofilia também não é nenhuma novidade. Apenas em 2008, em uma comunidade judaica ortodoxa do Brooklyn, nos Estados Unidos, houve mais de 40 casos envolvendo pedofilia. "A psicoterapeuta judia Charlette Rolnick, de Nova Iorque, declarou que os rabinos ocultam estes casos e que ela tem recebido centenas de queixas que acabam ficando impunes." (3).
Sobre os muçulmanos nem há muito o que discorrer, já que estes permitem até o casamento com menores de idade. No ano de 2009, em Gaza, houve mais de 450 casamentos em que as noivas eram menores de 10 anos de idade! O próprio profeta Maomé casou-se com uma menina de 6 anos (!) chamada Aisha.
"Quanto aos budistas, durante séculos eles aceitaram como normal a pederastia e lhes parece normal que eles, que renunciam a ter relações com mulheres, possam tê-las com os menores que recebem em seus monastérios para futuros monges." (4).

Como se vê, se fôssemos rotular de pedófilo os religiosos respeitando as reais estatísticas, essa pecha indigesta recairia só em último caso nos padres católicos, já que em outras religiões onde o celibato e o voto de castidade não são exigidos, os números de abusos contra menores são muitíssimo maiores. Ah, mas isso com certeza você não verá na Rede Record, já que para a referida emissora que ultimamente vem veiculando notícias de casos de pedofilia entre padres católicos constantemente em seus telejornais, provavelmente as vítimas de abusos de padres merecem muito mais atenção do que as vítimas de pastores protestantes, que são bem maiores. 

E já que falamos em celibato, será que este é o principal motivador dos abusos de menores nas Igrejas católicas? Não estaria mais propenso a cometer este delito homens que já tenham experimentado as relações sexuais, casados ou não? Vejamos alguns dados:

"O jornal The Economist de 6 de abril de 2002, cita um estudo de Charol Shakeshaft em que se afirma que 15% dos alunos dos Estados Unidos já sofreram algum tipo de abuso sexual durante sua vida escolar e que 5% dos professores já abusaram de seus alunos. De todos estes casos, apenas 1% dos professores são denunciados e expulsos. Normalmente, se encobre ou se transfere de lugar." (5)
"Outro estudo também realizado para o Departamento de Educação no ano 2002, disse as seguintes palavras: O abuso físico sexual de estudantes em escolas é certamente 100 vezes mais alto em números que o abuso dos padres católicos." Repetindo: 100 VEZES MAIS ALTO!

"Há também pesquisas que falam de outras profissões, como os psicoterapeutas. O doutor Christian Reimer afirmou que tanto na Europa como nos países anglo-saxões, a média de abusos dos psicoterapeutas em seus pacientes é de 10%.
Amedeo Cencini diz que existem porcentagens maiores de abusos em outras profissões, como policiais e médicos, que entre os sacerdotes; e isto em uma proporção de 2 ou 3% maior.". (6)

"Entretanto, o pior problema são os abusos sexuais de crianças em sua própria família. Muitos autores falam que um terço dos abusos de menores acontece em suas próprias casas, sobretudo, de meninas, por seu próprio pai ou padrasto, irmãos, tios, primos ou pessoas conhecidas ou próximas da família. Segundo o Instituto da Mulher da Espanha, com dados de 1999, 20% das mulheres sofreram abusos na infância. Em 69% dos casos, o abuso foi cometido dentro de sua família, embora poucos casos sejam denunciados. 75% dos abusos é de pai ou padrasto com a filha; 10% de mãe com o filho e os 15% restantes de irmão com a irmã. Segundo dados dos Estados Unidos, uma média de 88% dos abusos de incesto é praticado pelos próprios pais dos menores. De acordo com o investigador norte-americano David Finkelhor, estes incestos seriam 72% de todos os casos. Segundo o mesmo autor, 27% de todas as meninas são violentadas antes de completar 18 anos; e os meninos 16%. Destes meninos violentados, em torno de 25% acaba virando um abusador em sua vida futura." (7).

Se o celibato e o voto de castidade são os principais desencadeadores dos abusos contra menores na Igreja Católica, como explicar um número infinitamente maior desses abusos em religiões onde estes não são exigidos? Deveríamos também rotular os pastores de pedófilos porque muitos deles se envolveram em escândalos de pedofilia? Deveríamos rotular os professores de pedófilos? Deveríamos rotular os pais de família de pedófilos porque muitos mais abusos são cometidos no interior dos lares do que no interior das igrejas? Deveríamos rotular os homossexuais de pedófilos porque proporcionalmente a pedofilia é muito mais praticada entre eles do que entre os heterossexuais? Vale lembrar que muitas associações de movimentos ativistas homossexuais lutam para tornar a prática da pedofilia legalizada, e não se vê os meios de comunicação alardearem nada disso, ao contrário do que acontece com casos de padres pedófilos. 
"De fato, em todas as pesquisas há um dado irrefutável: entre 80 e 90% de todos os sacerdotes que abusaram de menores eram homossexuais e, quase todos os abusos foram com adolescentes maiores de 11 anos, motivo pelo qual não se pode dizer que são pedófilos, mas efebófilos. Pedófilos somam um número muitíssimo pequeno. Daí que o investigador Phillip Jenkins, um homem não católico e muito honesto, escreveu The Myth of the pedophile priest (O mito do padre pedófilo)."
"Michael Rose, em seu livro Goodbye good man: How catholic seminaries turned away two generations of vocations from the priesthood (Adeus homem bom: como os seminários católicos afastaram as gerações de vocações do sacerdócio), fala que durante várias décadas os homossexuais foram admitidos em massa, o que levou a criar-se nos seminários uma subcultura gay. Alguns seminaristas iam tranquilamente a bares gays e até tinham relações sexuais entre eles. Foi algo horroroso. O resultado de 40 anos de negligência e de permitir a entrada de homossexuais nos Seminários fez com que muitos padres fossem homossexuais, com as consequências conhecidas."
"É claro que nem todos os homossexuais são maus nem abusadores, mas sim um grande número de homossexuais ativos, especialmente os que sofreram abusos. Segundo Stephen Rossetti, dois terços dos homossexuais que ele tratou, foram abusados." (8)


Mas, enfim, as únicas vítimas importantes são as dos padres, todas as demais vítimas de abusos sexuais menores de idade parecem não ter a mínima importância, como se o fato de terem sido abusadas por não sacerdotes amenizasse a gravidade do crime. 
Diante de tudo isso, a verdade que se nos apresenta é exatamente esta: Os meios de comunicação e todos aqueles que superdimensionam os casos de pedofilia envolvendo sacerdotes diante dos outros casos, não estão interessados na punição dos pedófilos e muito menos em divulgar notícias com imparcialidade; só interessa a eles punir e noticiar os casos dos padres pedófilos. Não estão interessados em denunciar pedofilia, só estão interessados em denunciar a pedofilia na Igreja Católica. Não estão revoltados com os abusadores de menores, só estão revoltados com os abusadores que usam batina. Tudo isso com um único propósito: DESQUALIFICAR A IGREJA CATÓLICA PARA TENTAR ENFRAQUECER SUAS ESTRUTURAS.
Tempos modernos, armas modernas, velhas estratégias. As mesmas estratégias que têm sido usadas ao longo dos séculos por todos os inimigos da Igreja: mentiras, calúnias, perseguições, injustiças e exageros.

Por falar em mentira, aqui no Brasil, não tem sido diferente. "A revista "Isto É" publicou em 16 de novembro de 2005, um relatório em que se dizia que no Brasil, segundo uma investigação do Vaticano, havia 1.700 sacerdotes envolvidos em crimes sexuais. No entanto, nunca o Vaticano fez qualquer tipo de investigação sobre isso no Brasil. Além do mais, estes dados foram tomados irresponsavelmente de uma pesquisa, organizada pela Conferência Nacional dos Bispos, na qual se pedia informação a 1.700 sacerdotes; eram sacerdotes afastados, não culpados de nenhum abuso. Por isso, o cardeal Geraldo Majella, presidente da CNBB, enviou uma carta à revista Isto É para que corrigisse a informação, dizendo que essa gravíssima acusação, publicada como algo seguro, é uma afirmação caluniosa, sem qualquer fundamento. Algum meio de comunicação a nível mundial dos que propagaram a notícia, a retificaram, dizendo que foi uma calúnia da revista?" (9)
Lamentável!
Mas, e a Igreja? O que ela tem feito para tentar corrigir este grande mal que assombra seus fiéis?
Primeiramente, há que se lamentar o fato de altos membros do clero não terem agido de prontidão quando tais escândalos começaram a eclodir em massa (mais especificamente a partir dos anos 2000), deixando de tomar atitudes mais enérgicas. O principal motivo é que o assunto era praticamente uma novidade, muito embora a maioria destes abusos tenham acontecido várias décadas antes das denúncias (alguns aconteceram há mais de 50 anos). Muitos bispos não souberam como agir e acabaram de alguma forma acobertando esses crimes. Mas, atualmente a Igreja tem adotado medidas muito mais enérgicas e, ainda que muitas pessoas insistam em atacar o Papa, a maior autoridade da Igreja, inclusive pedindo sua renúncia, acusando-o de ser conivente com esses crimes, nenhuma outra instituição religiosa tem se empenhado mais em eliminar de seu seio a pedofilia. Mudanças radicais foram implementadas já a partir de Bento XVI.
"Em muitos casos tem-se pedido a renúncia dos bispos envolvidos em acobertamentos. Também tem disposto de tratamento psicológico e espiritual para os sacerdotes envolvidos e os afastado do ministério sacerdotal. Tem se dado normas concretas para que os casos pendentes possam ser denunciados. Inclusive, em alguns países como Holanda e Alemanha, tem se estabelecido telefones de linha aberta para receber chamadas dos afetados e poder assim ajuda-los o quanto antes.
A Igreja, de acordo com o código de direito canônico e as normas vigentes, tem determinado que, a pedido do bispo, estes casos não prescrevam, ainda que tenham ocorrido há vários anos. Todas as Conferências episcopais da Europa tem publicado normas de conduta para afrontar estes casos de abusos de menores. Inclusive o Papa Bento XVI tem se reunido em alguns lugares como Austrália, Estados Unidos, Malta..., com algumas vítimas de abusos para manifestar-lhes sua proximidade, seu consolo e seu apoio para esclarecer os fatos e ressarcir os danos causados em todo sentido."
"Em 15 de julho de 2010 foram publicadas as Novas normas para crimes mais graves. Entre elas, decide-se:
- A ampliação do prazo de prescrição da ação criminal, que tem sido levado a 20 anos, salvando o direito da Congregação para a Doutrina da Fé para poder revoga-lo.
Isto significa que, a diferença dos códigos penais de muitos países em que os delitos de abuso sexual são prescritos em 10 anos, a responsabilidade canônica durará 20 anos desde que a vítima cumpra 18 anos, ou seja, até que atinja os 38 anos. Porém, a Congregação para a Doutrina da Fé tem o poder para estender o prazo ou que nunca prescreva o delito.
- Se concede ao pessoal do Tribunal e, aos advogados e procuradores, a dispensa de requisito de sacerdócio e de requisito de doutorado em direito canônico.
Isto quer dizer que os juízes dos tribunais eclesiásticos podem, a partir de agora, não ser sacerdotes. Podem ser leigos doutores, ou simplesmente denunciados, em direito canônico.
- Também está reservado à Congregação para a Doutrina da Fé o delito de aquisição, retenção ou divulgação, com finalidade libidinosa, de imagens pornográficas de menores de idade inferior a 14 anos por parte de um clérigo em qualquer forma ou com qualquer instrumento. O clérigo que comete estes delitos deve ser punido de acordo com a gravidade do crime, sem excluir a demissão ou a deposição.
Isso significa que os bispos deverão informar à Roma se um sacerdote baixa pela internet pornografia infantil de menores de 14 anos, veja revistas ou de alguma maneira consuma produtos deste tipo. O objetivo é atuar ao primeiro sinal de alarme, sem esperar que haja vítimas. Se diz menor de 14 anos porque o delito é mais grave, quando se trata de crianças. E pode ser sancionado com a demissão ou expulsão do clérigo.
Por outro lado, se estenderão a todos os países as Normas essenciais que foram aprovadas em 8 de dezembro de 2002 para os Estados Unidos, que tem dado muitos bons resultados; sobretudo, o princípio de expulsão na primeira falta."
"O Papa Bento XVI também aprovou a Instrução de 4 de novembro de 2005, emitida pela Congregação para a Educação Católica, na qual se manifesta claramente:
Não podem ser admitidos no Seminário e nas ordem sagradas aqueles que praticam a homossexualidade, apresentam tendências homossexuais profundamente enraizadas ou ostentem a chamada cultura gay. As referidas pessoas encontram-se efetivamente em uma situação que dificulta gravemente uma correta relação com homens e mulheres. De maneira nenhuma podem ignorar-se as consequências negativas que podem derivar da ordenação de pessoas com tendências homossexuais profundamente arraigadas. Se tratarem-se de tendências homossexuais que forem só a expressão de um problema transitório, como por exemplo, o de uma adolescência não terminada, estas deverão ser claramente superadas, ao menos, três anos antes da ordenação diaconal." (10)

É claro que Bento XVI foi chamado de homofóbico por implementar tais normas para os seminaristas!
O atual Papa Francisco também tem sido frequentemente atacado nos meios de comunicação, e, a exemplo do que aconteceu com seu antecessor, tem até bispo exigindo sua renúncia. Mas, o tempo dirá e mostrará aos caluniadores da Igreja a verdade. 

Não pensemos que o Papa Francisco não está tomando suas providências. E que tenhamos o mesmo rigor para exigir que a pedofilia seja punida em todas as suas extensões, independente do ambiente em que tenha sido praticada. A indignação para este e todos os crimes hediondos não pode ser seletiva! Neste exato momento, enquanto alguns parecem preocupar-se apenas com os escândalos envolvendo padres pedófilos, a pedofilia está sendo praticada e até estimulada nos quatro cantos do mundo, sem despertar metade da revolta que tem despertado tais padres. Hoje, muitas associações e instituições estão lutando para legalizar a prática da pedofilia, inclusive aqui no Brasil e quase ninguém (especialmente da mídia) parece se preocupar! Enquanto a Igreja Católica tem lutado incansavelmente para expurgar este terrível mal da sociedade e especialmente de suas dependências, boa parte da mídia brasileira vem tratando o tema pedofilia como caso de saúde pública! Com a mesma intensidade que aparentemente se revoltam contra os padres pedófilos, muitos tentam a todo custo introduzir a sexualidade na vida das crianças, utilizando-se das mais variadas vias, especialmente das que englobam a cultura e a educação. 
Um mesmo pai ou mãe que se revoltam com casos de pedofilia envolvendo sacerdotes e que, motivados pela indignação de imaginar seus filhos como possíveis vítimas, atacam a Igreja Católica como se esta fosse o maior abrigo de pedófilos do mundo, são capazes de até aplaudir e incentivar seus filhos a fazer parte da atual "cultura de erotização e sexualização das crianças", ainda que inconsciente ou involuntariamente, quando nem se importam ao ver os filhos rebolando, "descendo até o chão", usando roupas "apelativas", características de pessoas adultas. Esse tipo de comportamento sequer chega a ser discutido nos grandes meios de comunicação; não recebe um terço da atenção que recebe os tais padres pedófilos.

Por tudo isso, é de suma importância que todos os católicos estejam bastante atentos a todo e qualquer tipo de ataque que venha a sofrer sua Igreja. Que saibam distinguir uma notícia imparcial de uma notícia tendenciosa. Que cobrem dos meios de comunicação o mesmo rigor na apuração e veiculação de notícias envolvendo pedofilia. Sim, pois a maioria desses casos que estão vindo à tona foram praticados há várias décadas e enquanto isso a pedofilia segue sendo praticada e até defendida escancaradamente nas mais diferentes áreas e instituições. Não deveriam estes casos despertar uma ira e atenção ainda maiores, já que seguem sendo cometidos até os dias de hoje e em escala muitíssimo maior?

Pelo visto, a revolta de muitas pessoas é bastante seletiva, infelizmente.



 Texto: Renato J. Oliveira               29 de agosto de 2018



(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) A Igreja Católica e o Abuso Sexual de Menores, Pe. Ángel Peña



Para aqueles que estiverem interessados em se aprofundar no assunto, recomendo a leitura do livro "A IGREJA CATÓLICA E O ABUSO SEXUAL DE MENORES" do Padre Ángel Peña.

https://www.clubedeautores.com.br/ptbr/book/240941--A_Igreja_Catolica_e_o_Abuso_sexual_de_menores






Leia também: 




"Portanto, podemos dizer que, se há alguma instituição humana que tem feito algo efetivo ao longo de dois mil anos e em grande escala em favor dos menores, esta instituição é a Igreja Católica. E, da mesma maneira podemos afirmar que, se há alguma instituição humana que tem feito algo efetivo na atualidade para acabar com o flagelo dos abusos sexuais de menores em seu meio, esta é a Igreja Católica, que tem tido a valentia de reconhecer seus pecados, de pedir perdão e de enfrentar o problema com as reformas correspondentes." (Padre Ángel Peña - "A Igreja Católica e o Abuso Sexual de Menores")






"A imprensa dá muito mais visibilidade aos casos de padres pedófilos, como se as vítimas deles fossem mais importantes. Os padres de Arapiraca (AL), por exemplo, têm sido contemplados pela cobertura dos grandes jornais, portais e TVs. A prisão do pastor protestante Edimário Gama de Freitas, 65, sob a acusação de abusar de filhos de fiéis, só foi noticiada pela imprensa regional, na Bahia."
(Paulopes)





NOTÍCIAS QUE CERTAMENTE VOCÊ NÃO VÊ COM FREQUÊNCIA NA TV
(ESSES ABUSOS NÃO ACONTECERAM HÁ 50 ANOS, MUITO PELO CONTRÁRIO, SÃO BEM RECENTES E TODOS ACONTECERAM EM NOSSO PAÍS. SE FOSSE REPRODUZIR TODOS OS CASOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS QUE SE TORNARAM PÚBLICOS, ESTA LISTA DE NOTÍCIAS CERTAMENTE SOMARIA MILHARES E MILHARES DE CASOS. E NÃO É EXAGERO. A PERGUNTA É: POR QUE A GRANDE MÍDIA NÃO BATE NESSAS TECLAS COMO BATE NOS CASOS ENVOLVENDO A IGREJA CATÓLICA?)





20.6.18

Existem ex-ateus?


Fui recentemente comunicado sobre um vídeo onde alguém teria me citado na plataforma do YouTube. O título "RENATO CURSE - EX ATEU SQN" (desta forma mesmo, com letras maiúsculas) aparentemente indicava que mais uma vez estaria eu sendo objeto de crítica de algum ateu militante. Rapidamente acessei o YouTube e pesquisei pelo referido título. Não posso dizer que fiquei satisfeito, já que minhas expectativas (tanto para o lado positivo quanto negativo) eram, digamos, um pouquinho maiores. No tal vídeo, entre outras coisas irrelevantes, o cidadão Aparecido Tadei, dono do canal "Aparecido de Bebedouro", parecia surpreso com o fato de saber que existem ex-ateus. Por outro lado, no que tange ao único aspecto positivo que encontrei no referido vídeo, também não seria justo negar que me senti um tanto quanto lisonjeado ao servir de referência na pauta e temática dos ex-ateus, já que em meio a tantos e tantos célebres e ilustres ateus ou céticos convictos que se curvaram ante à plenitude da racionalidade que há em admitir a existência de Deus, eu, um simples e quase anônimo escritor, fui citado pelo senhor Aparecido Tadei.
No vídeo em questão, datado de 19 de maio de 2018, exatamente aos 2 minutos e 26 segundos, ele diz o seguinte: "...Eu vou postar um vídeo falando do ex-ateu; sim, Ferreira Rassier, existe ex-ateu, eu encontrei um ex-ateu num dos blogs do Google; e à noite, se eu "fazer" o vídeo "eu vou tá falando" sobre isso... E o ex-ateu é Renato Curse (risos), Renato Curse, um ex-ateu..."
Pesquisei por outros vídeos no canal e não consegui encontrar quaisquer outras referências à minha pessoa (confesso que, por uma questão de desapreço ao conteúdo dos que tive oportunidade de assistir, não tive muita paciência para procurar com mais minuciosidade). Mas, mesmo não tendo plena autoridade para classificar o conteúdo do canal do senhor Aparecido Tadei (tendo em vista o fato de não ter assistido a todos os vídeos), diria que é simplesmente "mais do mesmo", ou seja, trata-se do conteúdo produzido por mais um neo-ateu militante que finalmente encontrou a luz da razão e abandonou a ilusão de acreditar em Deus; alguém que leu muito, pensou, refletiu e chegou à irremediável conclusão que Deus não existe, e agora tenta convencer as outras pessoas: NÃO TENHA FÉ EM DEUS (um dos títulos que têm no canal). Fiz uma rápida pesquisa e descobri que Aparecido Tadei é autor de alguns livros em PDF e, curioso como sempre fui, fiz download do tão sugestivo "Apologia à Razão". Por tratar-se de um livro bem fácil de ler, com letras grandes e linguagem bastante simples, consegui "devorá-lo" rapidamente. Não me surpreendeu nem um pouco o fato de encontrar na referida obra uma síntese pobre e crua dos argumentos que eu e todos os cristãos bem informados estamos tão acostumados a responder. Os mesmos argumentos usados hoje por Dawkins e companhia, pinceladas dos tão batidos argumentos que o enlouquecido Nietzsche usou no passado, mesclas de argumentos iluministas, niilistas e neo-ateístas. O que realmente me deixou, digamos, surpreso, foi o fato de o senhor Aparecido Tadei, além de aparentemente desconhecer que existem ex-ateus, não acreditar que Jesus Cristo tenha existido! Meu Deus do céu! E, de acordo com ele mesmo, a obra que abriu sua mente foi: "Jesus Cristo nunca existiu", de La Sagesse, um livro sem qualquer credibilidade (tanto histórica quanto teológica), que beira à infantilidade argumentativa e que de tão refutado já caiu em descrédito até pela maioria dos ateus. O senhor Tadei afirma, no capítulo "DO E-BOOK DE LA SAGESSE" (pg. 35) de seu livro: "A existência de Jesus Cristo é um fato jamais registrado pela história. Os documentos históricos que o mencionam foram falsificados por ordem da Igreja, num esforço para provar sua pretensa existência, apesar de possuir provas de que Jesus é um mito."
Eu perguntaria ao senhor Aparecido Tadei: quais são essas provas? Gostaria que ele me apresentasse uma única sequer.
Será que o senhor Tadei nunca ouviu falar que fora da Bíblia existem mais de 10 fontes históricas dos tempos primordiais do cristianismo que citam a existência e detalhes da vida de Jesus? E, ao contrário do que ele afirma, estes documentos não foram falsificados pela Igreja, muito pelo contrário, já que alguns deles foram escritos por não-simpatizantes cristãos e até por inimigos declarados do clero.
Enfim, para não me alongar muito nessa questão da historicidade de Cristo, vou reproduzir as palavras do teólogo norte-americano Robert Van Voorst: “Quantas fontes não cristãs fazem menção de Jesus? Incluindo Josefo, existem dez outros escritores não cristãos conhecidos que mencionam Jesus num período de até 150 anos depois de sua morte (Josefo, Tácito, Plínio, Flegão, Talo, Suetônio, Luciano, Celso, Mara-Bar Serapião e o Talmude).  Por outro lado, existem nove fontes não cristãs que mencionam Tibério César, o imperador romano nos tempos de Jesus. Assim, descontando todas as fontes cristãs, em relação ao imperador, existe uma fonte a mais que menciona Jesus. (…) À luz dessas referências não cristãs, a teoria de que Jesus nunca existiu é claramente injustificável”.




EX-ATEU EXISTE?

Não é a primeira vez que vejo um ateu, um "iluminado dono da razão", afirmar (ou insinuar) que ex-ateus não existem. Em meu blog "Ex-ateu, graças a Deus!" (título homônimo de meu primeiro livro), já tive a oportunidade de responder a essa questão quando então um sujeito identificado como "Blog do Valdir" fez o seguinte comentário em um dos posts (Imagens Anti-ateístas): "Não existem ex-ateus existem falsos ateus, para alguém ser ex-ateu é nescessário evidências irrefutáveis da existência de qualquer Deus, logo este blog é uma falácia com cunho religioso e preconceituoso."

Admito, minha resposta não foi muito cordial:


"Falácias, falácias, falácias... Blá-blá-blá...
Não existe no mundo alguém que valha-se tanto das falácias quanto vocês, ateus. E sua afirmação é totalmente falaciosa, como o demonstrarei agora.
Você disse que "para alguém ser ex-ateu é 'nescessário' (aprende a escrever, porra!) evidências irrefutáveis da existência de qualquer Deus". Pois eu lhe pergunto, ateuzinho falacioso: Você, por acaso, tem evidências irrefutáveis da inexistência de Deus? Logicamente me refiro ao Deus cristão, pois, a inexistência de todos ou outros deuses criados pelo homem é mais fácil provar do que tirar doce de criança.
É óbvio que você não tem qualquer evidência! Resumindo: VOCÊ É UM FALSO ATEU (de acordo com suas falaciosas argumentações, claro).
Eu tenho motivos mais que suficientes para acreditar em Deus, mas, para você ateuzinho falacioso, posso dizer que um dos motivos (que eu vejo como uma EVIDÊNCIA gritante) mais convincentes e irrefutáveis são os Milagres que Deus assina em sua religião cristã.
Você deve se julgar muito esperto, sábio e inteligente, não é mesmo? Pois então, CALE A MINHA BOCA explicando o que a própria Ciência nunca conseguiu explicar: os milagres do cristianismo (para ser mais exato, do catolicismo). Explique para mim e para os milhares de cientistas os 69 milagres de Lourdes aprovados pela Igreja; desvende o mistério da imagem da Virgem de Guadalupe, explique os santos incorruptos, o milagre de Lanciano, do coxo de Calanda, o milagre do sol em Fátima (eu poderia citar CENTENAS)... Enfim, gênio ateu, me explique o inexplicável. Ah, e que tal apresentar os milagres (AUTÊNTICOS) de outros supostos deuses hein?
Não existem ex-ateus? hahaha! Eles não apenas existem, como são testemunhas vivas do poder de transformação de Deus e da total irracionalidade que existe no ateísmo.
Pesquise sobre a vida de EX-ATEUS como Alexis Carrel, Illemo Camelli, Paul Claudel, Regina García, Douglas Hyde, Svetlana Stalin (filha de um dos ATEUS mais sanguinários da história), Antony Flew... Existem milhares de ex-ateus, você gostando ou não, querendo ou não. E eu tenho muito orgulho de ser um ex-insensato (teria mais orgulhoso se nunca tivesse sido um ateu, claro).
Na boa, arrisco afirmar que fui mais ateu que você e todos estes 'modinhas revoltados' de hoje em dia juntos. Vocês, sim, certamente são FALSOS ATEUS (a grande maioria nem sabe argumentar em prol de seu tolo ateísmo, e isso é uma fato que tenho constatado na prática).
Mas, enfim, você deve ter provas suficientes para sustentar sua afirmação, não é mesmo? Pois apresente-as!
Não tenho preconceito contra ateus, meu caro, até porque também tenho amigos ateus. O que eu tenho é um conceito muito bem formado sobre o ateísmo e isso não escondo de ninguém. E se falar ou escrever contra o ateísmo é preconceito, você, o senhor falácia, provavelmente deve ser um preconceituoso de marca maior, afinal, eu pessoalmente não conheço um só (neo) ateu 'modinha' que não seja preconceituoso com relação aos cristãos ou aos teístas em geral. Preconceituosos e, sobretudo, muito, mas muito ignorantes mesmo.
"Blog do Valdir", além de falacioso e falso ateu, posso concluir que você é preconceituoso, certo? Note que para levantar tal hipótese, eu apenas usei sua própria abordagem de argumentação, nada além disso."

Depois de tal resposta, o senhor Valdir não mais se manifestou no blog, mas vez ou outra aparece algum novo comentário dos "iluminados donos da razão" por lá (os quais são TODOS devidamente respondidos). 
O termo "ex-ateu" parece realmente incomodar os "iluminados". Há algum tempo atrás li um artigo escrito por um ateu que, entre outras coisas, dizia o seguinte: "Quando alguém diz que é ex-ateu e propõe-se com isso em contrapor o ateísmo, fica evidente uma tentativa de se apoderar de uma espécie de autoridade de causa, ou seja, algo como: "eu posso criticar o ateísmo, porque já fui ateu". É claro que pouco adianta dizer algo do tipo e não nos abençoar com alguma boa razão para crer em deus."
Curiosamente, os ateus que tanto arrogam para si esta mesma "autoridade de causa" quando dizem, orgulhosos, que se libertaram das religiões e que, portanto, têm autoridade para falar sobre o suposto "mal" que elas causam, assumem-se praticamente (agindo assim) que são EX-RELIGIOSOS, EX-TEÍSTAS, EX-DEÍSTAS, "EX-ISSO", "EX-AQUILO"... 
Haja contradição, haja incoerência, hein!
O próprio Aparecido Tadei assume-se um ex-religioso.

Quer dizer que podem existir ex-religiosos ou pessoas que acreditavam em Deus e tornaram-se agnósticas ou ateias, mas de forma alguma podem existir ex-ateus ou pessoas que duvidavam da existência de um Criador e passaram a crer em Cristo? Haja contradição, haja incoerência, hein, "iluminados"!

Não me orgulho nem um pouco de meu passado ateísta, mas é claro que posso me valer dele para afirmar, com pleno conhecimento de causa, que o ateísmo militante é maléfico sim. Tenho meus motivos para rir de todos aqueles que duvidam que fui ateu, mas como gostaria que estes acusadores estivessem certos, já que fiz coisas (especialmente no período de minha militância ateísta) das quais me envergonho e me arrependo muito. Certamente ainda tem muito pastor por aí com péssimas lembranças de minha pessoa (além do padre que fez minha primeira comunhão e crisma, antes de eu "virar" ateu). Com o pleno convencimento que eu realmente tinha de que Deus não existia, costumava entrar em igrejas para debater com pastores e não raramente esses debates acabavam em confusão (em uma destas ocasiões, um pastor da Quadrangular, assustado com a abordagem, não hesitou em acionar a polícia). Cheguei a entrar de moicano, pulando em plena missa dominical, de frente ao altar. Naqueles já distantes anos 1990, quando esse termo "neo-ateu" era praticamente desconhecido, eu andava pelas ruas com uma jaqueta estampando a frase "Deus não existe" em letras garrafais (foto abaixo). Sentia quase que uma necessidade de "libertar" as pessoas das religiões e dos deuses, porém, quem realmente estava acorrentado ao mal verdadeiro era eu. 
Pergunto aos "iluminados": alguém tão escarnecedor assim seria um falso ateu? Um cara capaz de fazer todos esses escárnios teria algum resquício de "medo do inferno"? 

Costumo dizer que fui mais ateu do que TODOS estes neo-ateus de hoje em dia juntos, aliás, se me fingisse de cético, com certeza teria argumentos muito mais razoáveis ou plausíveis do que todos eles. Não tenho dúvidas disso. Muitos livros que tantos neo-ateus leem hoje estão aposentados em minha estante há mais de 20 anos. Sébastien Faure foi um dos primeiros autores do "velho ateísmo" que conheci e muito ateuzinho de hoje em dia nunca ouviu falar dele! 
Mas, enfim, não pretendo provar a nenhum "iluminado" ou a quem quer que seja que fui ateu, pois minha própria história é o veredito de tal fato, o qual considero uma grande mancha. Não me gabo e não me orgulho nem um pouco de ter sido um ateu. Tenho é vergonha! Repito: TENHO VERGONHA DE UM DIA TER DESACREDITADO DA EXISTÊNCIA DE DEUS, TENHO VERGONHA DE TER SIDO UM ATEU. Pedirei perdão ao Senhor até o fim dos meus dias por isso.


Caros  neo-ateus, vocês já ouviram falar de Alexis Carrel, Paul Claudel, Douglas Hyde, Antony Flew, Svetlana Stálina (filha de Stálin), Illemo Camelli, Charles Foucauld, Takashi Nagai, Giovanni Papini, Daniel Rops, Peter Wust, Andre Frossard...? Ou só conhecem Augusto Cury e Antony Flew?


É claro que é possível deixar de ser ateu! 
Deixem de ser soberbos (ou ignorantes), caros ateus "militontos"! Assim como vocês têm o direito de achar que evoluíram racionalmente ao abandonarem suas respectivas religiões para abraçar o ateísmo (a pior de todas elas), nós, ex-ateus, temos o direito de acreditar que tal postura não é um avanço, mas um degradante retrocesso de pensamento, o mesmo pelo qual também passamos. Assim como vocês têm o direito de sentirem-se os "iluminados" e até superiores àqueles que comumente chamam de "crentelhos" e "iludidos", nós, ex-ateus, temos o direito de acreditar que os iludidos e ignorantes são vocês - a própria Bíblia nos diz que ateus são insensatos.
Quem disse para vocês que os ateus são os seres mais evoluídos mentalmente do planeta??? Aliás, como alguém "ultra-evoluído mentalmente" pode acreditar que viemos ou fomos formados pelo ACASO ou pelo NADA??? Fala sério! Como diria Isaac Bashevis Singer, Prêmio Nobel de Literatura de 1978: "São muitos pensadores que têm atribuído ao cego mecanismo da evolução muitos mais milagres do que todos os que foram atribuídos a Deus por todos os teólogos do mundo."

 

Eu, a exemplo de pessoas como Alexis Carrel e centenas de outras, declaro-me EX-ATEU, EX-INSENSATO, EX-NÉSCIO e, ao contrário do que costumam levantar, não faço isso para me "apoderar de uma autoridade de causa", muito embora faça questão de lembrar e alertar SEMPRE sobre os males e prejuízos que o ateísmo pode acarretar. Faço isso para provar que até o mais convicto e escarnecedor dos ateus (como de fato um dia infelizmente fui) pode se render à VERDADEIRA RAZÃO e admitir o que antes era inadmissível:  
DEUS EXISTE! 


https://www.clubedeautores.com.br/book/214182--Exateu_gracas_a_Deus
(1995 (à esquerda) e 2016 (à direita))

Quanto ao sr. Aparecido Tadei e a todos os demais "iluminados" que continuarem duvidando que ateus podem deixar de ser insensatos, deixo aqui meu convite aos debates ou à troca de ideias. 
( renato_curse@yahoo.com.br )




Renato J. Oliveira                      15 de junho de 2018





 Adquira o livro "EX-ATEU, GRAÇAS A DEUS!"

https://www.clubedeautores.com.br/book/214182--Exateu_gracas_a_Deus





 ALGUNS POSTS QUE DEFLAGRARAM DEBATES:









"O ateísmo fervoroso geralmente esconde uma religião reprimida".
(Wilhelm Stekei)





"Excetuando-se a essência, somos o que hoje somos e não o que ontem fomos
(Renato J. Oliveira, 13/03/2017)





"Nunca a fé me pedirá para deixar de ser racional, a fé nunca me dirá para acreditar em algo absurdo e a razão nunca me dirá algo que contradiz a minha fé. São duas formas independentes, mas complementares de aceitar a realidade do plano de Deus. A fé é chamada na teologia de dom racional, porque a nossa razão aceita a verdade infinita de Deus, que nos supera. Com as duas asas da fé e da razão podemos encontrar a verdade completa e nos aproximar de Deus que criou o universo."
(Padre Manuel Carreira, cientista, doutor em física 
e membro do Observatório Astronômico do Vaticano)



"A mesma ciência que antes parecia ter "matado" Deus, está restaurando a fé.... Os físicos têm tropeçado em sinais de que o cosmos foi feito sob medida para dar lugar à vida e à consciência. Acontece que, se as constantes da natureza, isto é, os valores invariáveis como a força da gravidade, a carga dos elétrons e a massa dos os prótons, fossem modificados no mínimo, então o átomo perderia sua integridade, as estrelas não brilhariam e a vida nunca teria surgido."
(Steven Weinberg, Prêmio Nobel de Física) 




"Friedrich Nietzsche, aquele que disse "Deus está morto, todos os santos cristãos são loucos ", terminou seus dias num manicômio de Basileia."
(Pe. Ángel Peña)



"Todo católico deve sentir a obrigação de estar preparado para responder às perguntas que nos levantam, mas também para apresentar aos oponentes algumas perguntas para que eles também nos respondam. Muitos católicos, como homens humanos e pecadores, cometeram erros. Alguns sacerdotes causaram escândalos lamentáveis, mas a Igreja, em sua grande maioria, tem sido e é uma grande luz na noite do mundo. O mundo atual, especialmente o mundo ocidental, seria muito diferente sem a presença da Igreja por tantos séculos. Estaria mais culturalmente atrasado, haveria menos sensibilidade social com os pobres e os doentes, teria tido menos paz e mais violência.
Digamos em voz alta para que todos ouçam: As primeiras escolas e universidades foram fundadas pela Igreja, assim como os hospitais, tanto na Europa como na América. Por isso, podemos nos sentir orgulhosos de sermos católicos e estarmos comprometidos com a grande tarefa da evangelização, para que haja mais amor e paz em nosso mundo.
Tenha a coragem de ser um verdadeiro católico para defender e compartilhar sua fé. 
Que sejas santo. É meu melhor desejo para ti."
(Pe. Ángel Peña)