31.12.12

Eternamente Titãs


Titãs é uma banda de rock brasileira formada em São Paulo, em 1982. Ativa há trinta anos, tornou-se uma das quatro maiores bandas do BRock, ao lado de Legião Urbana, Os Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho. Algumas de suas músicas de maior sucesso são Sonífera Ilha, Flores, Polícia, Família, Comida, O Pulso, Go Back, Domingo, Enquanto Houver Sol, Homem Primata, Bichos Escrotos, Cabeça Dinossauro, Pra Dizer Adeus, Marvin, AA UU, Epitáfio, Diversão e Porque Eu Sei Que é Amor.

Formação e primeiros trabalhos
A maioria dos integrantes da banda se conheceu no Colégio Equipe, em São Paulo, no final da década de 1970 e, a partir de uma apresentação na Biblioteca Mário de Andrade no ano de 1981, passaram a fazer shows em várias casas noturnas da cidade, com o nome Titãs do Iê-Iê.
Antes do surgimento dos Titãs do Iê-Iê, os integrantes da banda já tocavam em vários grupos. Arnaldo Antunes e Paulo Miklos eram parte da banda Performática; Nando Reis era percussionista da banda Sossega Leão; Branco Mello, Marcelo Fromer e Tony Bellotto formavam o Trio Mamão e as Mamonetes, que chegou a se apresentar na televisão, num programa em que Wilson Simonal, após a apresentação dos 3 garotos, disse que eles precisavam evoluir, e que tinham um gosto mais moderno. Sérgio Britto e Marcelo Fromer também chegaram a se apresentar no Chacrinha, sendo "gongados" cantando a música "Eu Também Quero Beijar", sucesso de Pepeu Gomes.
O primeiro show dos ainda Titãs do Iê-Iê ocorreu no dia 28 de setembro de 1982, no SESC Pompeia, descrito pelo hoje baixista e vocalista da banda Branco Mello como uma "sessão maldita", pois teria começado muito tarde, após a meia-noite. No início, a banda contava com visual extravagante, com penteados estranhos, maquiagens e ternos coloridos e gravatas de bolinhas. Além disso, a primeira formação contava com 9 integrantes, sendo eles Arnaldo Antunes, Branco Mello, Marcelo Fromer, Nando Reis, Paulo Miklos, Sérgio Britto, Tony Belloto, Ciro Pessoa e André Jung, dos quais 6 deles eram vocalistas. Arnaldo, Ciro e Branco eram apenas vocalistas. Sérgio Britto cantava e tocava teclado em algumas músicas. Paulo Miklos e Nando Reis se revezavam no baixo e cantavam, Tony e Marcelo tocavam guitarra e violão respectivamente e André Jung tocava bateria.

O primeiro álbum
Em 1984, Ciro Pessoa decide sair da banda. Logo depois, assinam com a gravadora WEA e gravam seu primeiro disco, agora com o nome oficial de Titãs, retirando o Iê-Iê, que causava problemas na fala de apresentadores de rádio e casas de show, pois sempre era confundido com Iê-Iê-Iê, vertente da qual se originou a Jovem Guarda.
Nesse disco homônimo estão grandes sucessos da banda como "Sonífera Ilha", que foi em 1984 a música mais tocada nas rádios brasileiras, rendendo à banda diversas apresentações em programas do Raul Gil e Chacrinha.
Nesse mesmo disco, os Titãs colocaram nas rádios a música "Toda Cor", além de uma das mais importantes da história da banda: "Marvin". Embora ela faça parte desse disco, não fez sucesso naquele momento, fato que ocorreria quatro anos mais tarde, quando os Titãs lançaram uma versão mais técnica e melhorada da música. O mesmo fato aconteceria com outra faixa do disco, Go Back.

Sai André Jung, entra Charles Gavin
Após um show no Rio de Janeiro, no final de 1984, os Titãs decidiram substituir o baterista André Jung por Charles Gavin. Há tempos a banda não estava satisfeita com a forma com que André tocava e, conforme a insatisfação com ele aumentava, crescia também a admiração por Charles Gavin, baterista que estava naquele momento ensaiando com o RPM, e que também já tinha feito parte do grupo Ira!. A notícia de que seria substituído na banda não agradou André, pois ele pretendia passar o ano novo com sua namorada no Rio de Janeiro e celebrar o sucesso da canção "Sonífera Ilha". Com a decisão da banda, André voltou para São Paulo e dois dias depois entrou para o grupo Ira!. Outro músico que não ficou satisfeito foi Paulo Ricardo, que descobriu que Charles Gavin tinha saído do RPM ao assistir um programa de TV, que mostrava a preparação do Titãs para um show, já com Charles entre seus integrantes. Este fato deixou um clima tenso entre o baixista e vocalista do RPM e o novo baterista dos Titãs.

O disco Televisão
Os Titãs gravaram seu segundo disco em 1985, Televisão, produzido por Lulu Santos. O disco serviu para colocar a faixa-título nas rádios, além das músicas Insensível, O Homem Cinza, Massacre e Dona Nenê. A banda ainda não conseguia colocar no disco todo o peso que tinha no palco e, além disso, a produção de Lulu Santos não agradou muito ao octeto. A ideia do LP, de que cada faixa representasse um canal televisivo, também contribuiu para o fato de que o disco não tivesse uma unidade maior. As vendas foram bastante modestas. Cerca de 25 mil exemplares foram vendidos.


Chegada ao estrelato
Em novembro de 1985, Tony Bellotto e Arnaldo Antunes foram presos (o primeiro por porte e o segundo por porte e tráfico de heroína). Bellotto foi libertado sob fiança. Arnaldo Antunes, por sua vez, permaneceu atrás das grades por mais tempo, sendo libertado após um mês. O episódio teve um grande impacto na banda. Ofertas de shows escassearam e os Titãs perderam sua aura de "inocência" diante da mídia.
Após esses acontecimentos, os Titãs entraram novamente em estúdio, cuja principal mudança veio na parte da produção do disco, que ficou a cargo de Liminha, o principal produtor da época. As relações entre a banda e o produtor não eram das melhores, devido a uma declaração de Branco Mello de 1985 em que dizia que "todos os discos que Liminha produzia pareciam iguais" e também "que era bom mesmo que Liminha não produzisse a banda". O produtor, ao saber disso, não perdeu a chance de jogar as declarações na cara da própria banda, antes de aceitar assumir o projeto. Após o mal-entendido, o grupo e o produtor iniciaram uma grande parceira, que também se repetiria nos próximos três discos da banda. Liminha conseguiu fazer com que a banda colocasse em disco todo o peso dos shows. Também foi o primeiro produtor que realmente teve coragem de sugerir mudanças em algumas faixas, coisa que até aquele momento a banda não aceitava.
Em junho de 1986 é lançado o terceiro álbum da banda, Cabeça dinossauro. O disco mostrou a banda com uma sonoridade mais agressiva, visto as influências da cultura punk em letras contundentes que não poupavam as principais instituições da sociedade brasileira ("Estado violência", "Polícia", "Família" e "Igreja"). A canção "Igreja" chegou a causar discordância na banda: enquanto a maior parte dos integrantes considerava a canção genial, Arnaldo Antunes não se sentia bem com os versos "Eu não gosto de padre, eu não gosto de madre, eu não gosto de frei... Eu não entro na igreja, não tenho religião...". Também havia divergências religiosas entre dois integrantes: Arnaldo sempre declarou acreditar em Deus, ao contrário do baixista Nando Reis (autor da canção), que sempre se declarou ateu. Devido a isso, sempre que a canção era tocada, o vocalista se retirava do palco, em um silencioso protesto.
Devido ao tom agressivo, Cabeça dinossauro foi praticamente barrado nas rádios e na televisão, porém a situação começava a mudar. Após um começo de turnê desapontador (shows para 30 ou menos pessoas), as apresentações cada vez mais agressivas passaram a atrair milhares de pessoas. O marketing espontâneo não demorou muito e, por fim, os Titãs ganharam seu primeiro disco de ouro. Sem outra alternativa, as emissoras se renderam ao sucesso e começaram a tocar. Algumas se davam ao luxo de pagar multas para tocar as faixas censuradas, como "Bichos Escrotos".

Um novo caminho
"Cabeça Dinossauro" abriu várias portas para os Titãs. Além do aumento do número de shows, do cachê e da atenção da mídia em cima do trabalho do grupo, a última faixa do disco abriu portas para uma nova sonoridade que seria muito utilizada no disco seguinte da banda. "O quê?", 13º faixa do álbum, foi gravada de forma diferente das demais do disco. Nela foram utilizados samplers, além de bateria eletrônica. Sua gravação durou uma semana, e o resultado agradou tanto à banda quanto aos fãs.

No centro das atenções
Era dessa forma que os Titãs estavam no ano de 1987. O último disco era aclamado por público, crítica e artistas de várias estirpes da música, como Caetano Veloso e Legião Urbana.
A glória e a descoberta de novos caminhos sonoros estimulou a banda a entrar em estúdio para gravar seu 4º disco, Jesus não tem dentes no país dos banguelas. Curiosidade: os lados A e B do LP foram batizados de Lado J e Lado T, para que o público não ouvisse automaticamente o lado onde estariam apenas os grandes sucessos. A utilização de samplers e bateria eletrônica foi constante nas primeiras 7 faixas do disco, causando grande revolução sonora. Dentre as faixas, destacam-se a faixa-título, Diversão, Corações e mentes e Comida, enquanto as outras seguiam a linha ditada pelo disco anterior, como em Lugar Nenhum, Nome aos Bois e Desordem.
O disco seguiu o ritmo de vendas do disco anterior, e colocou de vez os Titãs entre as grandes bandas nacionais, graças ao sucesso da parceria com Liminha. O produtor chegou a ser considerado o "9º titã", devido às participações em shows do grupo paulista.
Após algumas apresentações internacionais, a banda gravou ao vivo uma seleção de músicas antigas e lançou o álbum "Go Back", em 1988.
O auge da parceria Titãs-Liminha consolidou-se em "Õ Blésq Blom", lançado em setembro de 1989, uma das produções mais populares até então. Seus principais sucessos eram "Miséria", "Flores", "O Pulso" e "32 Dentes". Um dos destaques curiosos deste trabalho foi a participação especial do casal de repentistas pernambucanos Mauro e Quitéria, descobertos pela banda numa praia de Recife.

As primeiras mudanças
Lançado em 1991, na baixa do mercado fonográfico brasileiro oriunda da crise econômica do governo Fernando Collor de Mello, "Tudo ao Mesmo Tempo Agora" foi um baque para os críticos, defensores incondicionais da banda.
O disco marca uma retomada da estética de "Cabeça Dinossauro", no entanto mais cru, com mixagem irregular e canções escatológicas. Num arroubo de confiança, os próprios integrantes produziram o disco e o fracasso comercial do trabalho foi possivelmente o estopim para a saída de Arnaldo Antunes, que passou a se dedicar a uma carreira solo.
"Titanomaquia" de 1993 continuou o trabalho anterior, com uma instrumentação "pesada" e letras escatológicas, mas com a novidade de contar com a produção de Jack Endino, produtor de bandas importantes como o Nirvana, Soundgarden e Skunkworks, 3° álbum solo de Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden. A mídia se mostrou mais receptiva, mas as vendagens continuaram modestas.

Inicio da nova fase
Após passar o ano de 1994 de férias, os Titãs voltaram em 1995 para lançar um novo disco. Domingo trouxe um Titãs menos escatológico, porém com um som ainda pesado. O disco serviu para que a banda acabasse com os rumores de que iria se separar. Nesse disco, os Titãs fizeram sua primeira cover.

A Era Acústico MTV
Em 1997, para comemorar os 15 anos de carreira, a banda aceitou participar do projeto Acústico MTV. O CD e vídeo, gravado no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, chegou ao impressionante número de 1,7 milhões de cópias, mostrando um lado desconhecido do grupo: os sete integrantes, junto com o produtor Liminha, tocando instrumentos desplugados, em ritmo menos barulhento.
Além de ser o Acústico mais vendido do Brasil, também contou com grupos de cordas e metais. O disco também trouxe várias participações especiais: o cantor argentino Fito Paez e o reggaeman Jimmy Cliff, além das cantoras Marisa Monte, Marina Lima e Rita Lee. As duas últimas, gravaram sua participação em estúdio. Destaque também para o ex-titã Arnaldo Antunes, que também participou do disco na canção "O Pulso". Para a crítica e maioria dos antigos fãs, esse foi o último disco considerado bom da banda. O sucesso do disco foi bastante refletido nos dois discos seguintes.

Novos fãs, novas críticas
Aproveitando-se do sucesso do disco anterior, a banda lançou em 1998 Volume Dois, uma espécie de continuação do "Acústico", com releituras de outros sucessos e faixas inéditas. Entre os principais destaques estavam as inéditas Sua Impossível Chance e Amanhã Não Se Sabe e a releitura de Insensível, do segundo disco da banda. Porém, o boom veio com a regravação de É Preciso Saber Viver, um antigo sucesso de Roberto Carlos, que consolidou o ótimo desempenho do álbum, que chegou a 800 mil cópias. A crítica mostrou-se menos receptiva, chegando a alegar que a banda teria se vendido ao mercado.
A banda recebeu o Troféu Imprensa do mesmo ano, como Melhor Conjunto Musical de 1998.
Em 1999, veio o disco As Dez Mais, o primeiro trabalho inteiramente não-autoral. Com dez faixas, sendo regravações de cantores como Tim Maia, Roberto Carlos e Raul Seixas, e bandas como Legião Urbana e Ultraje a Rigor.
"As Dez Mais" também teve sucesso de vendas, com 500 mil cópias, porém a crítica reviveu sua virulência dos tempos de Tudo Ao Mesmo Tempo Agora. A maior parte das críticas foi contra a regravação de Pelados Em Santos, sucesso dos Mamonas Assassinas que ajudou a alavancar as vendas dos Titãs. Outros também disseram novamente que a banda havia "se vendido" ao mercado.

A morte de Marcelo Fromer
Em 2001, os Titãs assinaram com a Abril Music e estavam prestes a iniciar a gravação de mais um trabalho. Porém, no dia 11 de Junho de 2001, o guitarrista Marcelo Fromer foi atropelado por uma moto em São Paulo e morreu dois dias depois.
Pensou-se na época que a morte de Fromer seria o fim da banda. João Augusto, então diretor da Abril Music, chegou a declarar que concordaria com qualquer decisão, caso a banda anunciasse uma possível separação. Porém, eles decidiram seguir em frente.



A vida sem Fromer
Fromer era o responsável pela guitarra base da banda. Com o início das gravações de A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana, houve dúvidas sobre a gravação: Tony Bellotto, guitarrista solo, pensou em gravar todas as guitarras do disco, porém mudou de ideia. Chegou-se a propor que Paulo Miklos e Branco Mello se revezassem no instrumento, porém a decisão final foi convidar o músico Emerson Villani, que já tinha tocado com a banda durante alguns shows e turnês, inclusive substituindo Marcelo no ano de 1998, quando ele foi convidado para comentar a Copa do Mundo FIFA de 1998 pelo canal SporTV.
O repertório permaneceu inalterado: as 16 faixas já haviam sido escolhidas antes da morte de Fromer.
Seus principais sucessos foram as canções "A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana", "O Mundo é Bão, Sebastião!", "Epitáfio" e "Isso". Esta penúltima foi o maior sucesso dos Titãs em 2002.
Agenda cheia, grandes premiações, grande sucesso, porém uma pessoa não estava em sintonia com as alegrias e ambições futuras da banda.

A saída de Nando Reis
Nando Reis, o baixista, declarou em 2002 que não se sentia preparado para gravar mais um disco com a banda, alegando que as mortes do guitarrista Marcelo Fromer e também da cantora Cássia Eller, grande amiga do músico, ainda o abalavam muito.
Na ocasião, a saída foi oficializada, ainda que o baixista nunca tenha dito aos companheiros que estava pulando fora. O processo de separação já existia desde 1993, quando Nando não conseguiu se adaptar ao estilo pesado do disco Titanomaquia, ao mesmo tempo que gravava com artistas da MPB.
No dia 9 de setembro, a banda e o músico lançaram comunicados no site oficial falando sobre as razões da separação.

Agora um quinteto
Em 2003, os Titãs lançaram o disco Como estão vocês?. O disco não vendeu tanto quanto o último, porém seguiu a linha pop/rock, que a banda assumira no disco anterior. O álbum conseguiu emplacar quatro sucessos, "Eu não sou um bom lugar", "Enquanto houver sol", "Provas de amor'" e "Vou duvidar. Recentemente, em 2005, lança o terceiro disco ao vivo de sua história, e o primeiro gravado no Brasil, "MTV Ao Vivo", com algumas músicas dos 25 anos de história da banda e com as inéditas "Vossa Excelência" (composta em meio ao Escândalo do Mensalão), "Anjo Exterminador" e "O Inferno São Os Outros".
É inegável que os Titãs, graças a seus discos clássicos da segunda metade dos anos 1980, têm lugar de destaque na história da música popular brasileira da segunda metade do século XX, bem como continuam influenciando bandas contemporâneas.
Jovens artistas brasileiros que se destacam por seu conteúdo "engajado" e letras "inconformistas" são também corriqueiramente associados aos Titãs, principalmente da fase Cabeça Dinossauro.
Em 2007, os Titãs completam 25 anos de carreira, comemorados com uma série de shows junto com os Paralamas do Sucesso, que também completam 25 anos de carreira. A série de shows, que se estendeu pelo ano de 2008, culminou em um espetáculo realizado na Marina da Glória, Rio de Janeiro, em janeiro de 2008, e lançado em CD e DVD intitulado Paralamas e Titãs: Juntos e Ao Vivo.
Em 2009, Branco Mello confirma no site oficial dos Titãs a estreia, em fevereiro, do filme A Vida Até Parece uma Festa. Exibido no circuito paulistano, o filme dirigido por Branco Mello e Oscar Rodrigues Alves recebeu elogios da crítica especializada; especialmente da Revista Veja que deu três estrelas para o documentário. No dia 01º de Outubro de 2009, o documentário é eleito o melhor do ano na categoria Filme/Documentário de música do VMB.

Novos projetos
Após 6 anos sem lançar um disco de estúdio (o mais longo período da carreira da banda), na primeira quinzena de junho de 2009 foi lançado Sacos Plásticos, produzido por Rick Bonadio e lançado por sua gravadora, a Arsenal Music (com distribuição da Universal Music). O disco marca a entrada da banda em um novo selo, depois de seis anos pela Sony BMG.
Bonadio ficou conhecido por produzir bandas de hardcore, popcore e, recentemente, emocore, como as bandas Charlie Brown Jr., Tihuana, CPM 22, Hateen, NX Zero, Fresno, Strike entre outras. Além disto, também foi produtor dos extintos Ira! (nos álbuns Acústico MTV e Invisível DJ) e Mamonas Assassinas (sendo apelidado por eles de "Creuzebek").
Os dois primeiros singles do disco são "Antes de Você" e "Porque Eu Sei Que é Amor", ambas na voz de Paulo Miklos. As canções foram incluídas nas trilhas sonoras de duas telenovelas da Rede Globo: Caras & Bocas (19h) e Cama de Gato (18h), respectivamente. A trama das 18h ainda tem como tema de abertura "Pelo Avesso", do disco Como Estão Vocês? (2003), na voz de Sérgio Britto.
A banda dispensou seus músicos de apoio, tornando-se apenas um quinteto. Branco Mello, vocalista, assume o baixo em definitivo (em outras turnês, Branco tocava apenas em algumas músicas). Sérgio Britto, tecladista e vocalista, também se divide entre o teclado e o baixo. O também vocalista Paulo Miklos, por sua vez, assume a guitarra rítmica. Tony Bellotto e Charles Gavin continuam como, respectivamente, guitarrista solo e baterista.
Sacos Plásticos foi o disco da banda que contou com o maior número de videoclipes em toda a história dos Titãs. Ao todo, foram 5 clipes; Antes de Você, Porque Eu Sei Que é Amor, A Estrada, Amor Por Dinheiro e Quanto Tempo (a ser dirigido pela atriz Malu Mader, esposa de Tony Bellotto).

Saída de Charles Gavin e turnê Sacos Plásticos
No dia 12 de fevereiro de 2010, os Titãs anunciaram em seu site oficial que o baterista Charles Gavin estaria deixando a banda por motivos pessoais. Os outros quatro músicos continuarão com seus compromissos relacionados à turnê do álbum Sacos Plásticos, e o baterista contratado para acompanhar a banda é Mario Fabre. Segundo o guitarrista Tony Bellotto, Charles Gavin saiu da banda porque "É difícil envelhecer num grupo de rock".
Dias após a esse comunicado, Gavin disse em entrevista, que sua saída já estava acertada desde a pré-produção do álbum Sacos Plásticos e durante a turnê com Os Paralamas do Sucesso. Um dos problemas de Charles, foram sintomas de pânico e depressão, além do grande desgaste de 25 anos de turnês. Gavin pensou em se licenciar durante a Sacos Plásticos Tour (2009-2010), mas disse que não dava pra ficar longe dos Titãs com tantos compromissos.

Rock In Rio IV, Futuras Instalações e 30 Anos de Carreira
No dia 23 de Setembro de 2011, ao lado d'Os Paralamas do Sucesso, a banda participou do show de abertura da quarta edição do Rock in Rio, no palco princial. O show contou com a abertura de Milton Nascimento, ao lado de Tony Belloto e da Orquestra Sinfônica Brasileira, tocando Love Of My Life, do Queen. O show também contou com a participação de Maria Gadú. No dia 2 de Outubro de 2011, a banda se apresentou no palco sunset do festival ao lado da banda portuguêsa Xutos & Pontapés.
Logo após a essas apresentações, é encerrada a Sacos Plásticos Tour, que durou dois anos e deu lugar ao novo show Futuras Instalações. A nova turnê nada mais é que um teste para novas canções que estarão no novo álbum da banda, previsto para 2012/2013, além da banda tocar alguns clássicos.
Além do novo álbum e da nova turnê, está previsto para este ano, o show Cabeça Dinossauro, onde a banda irá executar o clássico lançado em 1986 na integra, o retorno a gravadora Warner Music, com o relançamento da discografia da banda lançada entre 1984 e 1999, e uma turnê comemorativa de 30 Anos de Carreira, com a presença de Arnaldo Antunes, Nando Reis e Charles Gavin, ex-integrantes da formação clássica dos Titãs. O show foi confirmado por Paulo Miklos antes de uma apresentação em Manaus. Em São Paulo, cidade natal da banda, o show de celebração dos 30 anos ocorreu no Espaço das Américas, na Barra Funda, na noite de 6 de outubro de 2012.


Integrantes
Formação atual
Branco Mello - vocal e baixo
Paulo Miklos - vocal, guitarra e saxofone
Sérgio Britto - vocal, teclado, e baixo
Tony Bellotto - guitarra

Músico de apoio
Mario Fabre - bateria (2010-presente)

Ex-integrantes
Ciro Pessoa - vocal (1982 – 1983)
André Jung - bateria (1982 – 1984)
Arnaldo Antunes - vocal (1982 – 1992)
Marcelo Fromer - guitarra (1982 – 2001)
Nando Reis - vocal e baixo (1982 – 2002)
Charles Gavin - bateria e percussão (1985 – 2010)

Ex-músicos de apoio
Liminha - Violão e Baixo acústico - Turnê "Acústico MTV" (1997-1998)
Emerson Villani - guitarra, violão e vocais - Turnês "Volume Dois" (1998-1999), "A Melhor Banda", "Como Estão Vocês" e "Ao Vivo" (2001-2006)
Marco Lobo - Percussão - Turnê "A Melhor Banda" (2001-2003)
Lee Marcucci - baixo - Turnês "A Melhor Banda", "Como Estão Vocês" e "Ao Vivo" (2002-2009)
André Fonseca - guitarra, violão e vocais - Turnê "Ao Vivo" (2006-2009)


Discografia
Álbuns
1984 - Titãs
1985 - Televisão
1986 - Cabeça Dinossauro (Relançado em 2012)
1987 - Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas
1988 - Go Back (ao vivo)
1989 - Õ Blésq Blom
1991 - Tudo ao Mesmo Tempo Agora
1993 - Titanomaquia
1994 - 84 94 (Um)
1994 - 84 94 (Dois)
1995 - Domingo
1997 - Acústico MTV Titãs (ao vivo)
1998 - Volume Dois
1999 - As Dez Mais
1999 - Sempre Livre Mix - Titãs e Paralamas Juntos ao Vivo
2001 - A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana
2003 - Como Estão Vocês?
2005 - MTV ao vivo Titãs
2008 - Paralamas e Titãs Juntos e Ao Vivo
2009 - Sacos Plásticos
2012 - Titãs e Xutos e Pontapés - Ao Vivo no Rock in Rio
2012 - Cabeça Dinossauro Ao Vivo 2012


Fonte: Wikipédia  




29.12.12

Os 20 maiores serial killers da história


Elizabeth Báthory (Hungria - mais de 500 mortes)
Erzsébet Báthory (7 de agosto de 1560 — 21 de agosto de 1614), em português Elisabete ou Isabel Báthory, foi uma condessa húngara da renomada família Báthory que entrou para a História por uma suposta série de crimes hediondos e cruéis que teria cometido, vinculados com sua obsessão pela beleza. Como consequência, ela ficou conhecida como "A condessa sangrenta" e "A condessa Drácula".

Biografia
Nascimento e família
Isabel Báthory nasceu em Nyírbátor, que então fazia parte do Reino da Hungria, território hoje pertencente à República Eslovaca. A maior parte de sua vida adulta foi passada no Castelo Čachtice, perto da cidade de Vishine, a nordeste do que é hoje Bratislava, onde a Áustria, a Hungria e a Eslováquia se juntam. Os Báthory faziam parte de uma das mais antigas e nobres famílias da Hungria.
Era filha do barão George de Báthory, do ramo Ecsed, irmão do príncipe András da Transilvânia.
Isabel cresceu em uma época em que os turcos conquistaram a maior parte do território húngaro, que servia de campo de batalha entre os exércitos do Império Otomano e a Áustria dos Habsburgo. A área era também dividida por diferenças religiosas. A família Báthory se juntou à nova onda de protestantismo que fazia oposição ao catolicismo romano tradicional.

27.12.12

O lado irrepreensível



Às vezes é inevitável reprimir o lado louco e lúgubre que vive adormecido dentro de cada um de nós.
Um dia esse lado sombrio pode estar irreprimível e com ele podemos acabar descobrindo coisas fantásticas e impressionantes sobre nós mesmos.



Renato Curse             25 de fevereiro de 2.007



24.12.12

Pois é, é Natal.



Que coisa, hoje já é véspera de natal; aliás, já é quase natal...
São milhares, milhões, talvez até bilhões de pessoas envoltas, envolvidas e contagiadas por esse tal de espírito natalino.

Mas como estará sendo este natal para aquele mendigo que vi dormindo nas proximidades da Rua 25 de Março, em São Paulo?

A curiosidade é grande, mas não consigo imaginar como teria transcorrido a manhã, a tarde e esse início de noite para aquele ser humano que tantos olhos encaram com indiferença e desprezo...
Um ser humano que muito provavelmente eu vi pela última vez.

Puxa, como eu gostaria, independentemente de que forma, transformar radicalmente a vida daquele mendigo.

Logo esquecerei seu rosto, mas não me esquecerei da situação.

Aquele 22 de dezembro foi realmente marcante...

Bom e mau, bem e mal,
mas não tão mau, não tão mal e tão mau
quanto a impressão que algumas imagens me causaram...

Apesar de tudo, hoje acho que é melhor dizer,
mesmo sabendo da hipocrisia que costuma acercar esta data:
Feliz Natal.

Feliz...........in.........feliz




Renato Curse             24 de dezembro de 2.001   (20:52 h.)



22.12.12

O Mundo conspira a seu favor



“SE UM DIA TE SENTIRES 
FRACO E PEQUENO, 
LEMBRE-SE QUE TENS UM MUNDO 
FORTE E GRANDE 
PARA TE CONSOLAR.”



20.12.12

Exista!



“Existência é o tempo que temos
para mostrar ao mundo
a que viemos,
o que pretendemos
e o que significamos.

Pois então façamos valer
nossa existência!”

Renato Curse        dezembro de 2.000



18.12.12

Acredite num novo dia



“AO RAIAR DE UM NOVO DIA MUITA COISA PODE ACONTECER;
SE HOJE ESTÁS SUBMERSO EM
TRIBULAÇÕES E CONFLITOS,
LEMBRE-SE QUE AMANHÃ UM NOVO DIA
PODE LHE SORRIR E MUDAR PARA
MELHOR O RUMO DA SUA VIDA.
JAMAIS PERCA A FÉ E AS ESPERANÇAS!”



15.12.12

Curiosidades sobre os cães



Os cães pertencem à família dos canídeos, a mesma do lobo, da raposa, do coiote, do chacal e do lobo-guará. Ao todo, existem 34 espécie de canídeos.


Os cães escutam melhor que os humanos. Eles conseguem ouvir um som a uma distância quatro vezes maior do que somos capazes .


Os cães não enxergam algumas cores. Eles enxergam em azul, amarelo e cinza. Não conseguem diferenciar as cores verde e vermelho. 


Os cães suam através das patas e do focinho . 


Os cães são mais suscetíveis a atacar um estranho que esteja correndo, do que um que esteja parado . 


A maior ninhada canina ocorreu em 1944, quando uma American Foxhound teve 24 filhotes. 


Dar chocolates aos cães pode ser fatal para eles. Um ingrediente do chocolate, a teobromina, estimula o sistema nervoso central e o músculo 
Cerca de 1 kg de chocolate de leite, ou apenas 146 gramas de chocolate de culinária, servem para matar um cão de 22 kg . 


Os pastores australianos são os cães mais espertos do mundo. 


Os cães selvagens que vivem em manadas na Austrália são chamados Dingos. 


O olfato dos cães é dos melhores da natureza. Se desdobrássemos e estendêssemos as membranas que se situam no nariz dos cães, elas seriam maiores do que o próprio cão. 


Se um cão tiver a cauda erguida, é um sinal de dominância. Significa que é o líder da matilha.


Os cães têm cerca de 100 expressões faciais e a maior parte delas é feita com as orelhas. Os Bulldogs e Pitbulls têm apenas 10. Por essa razão, eles são muitas vezes mal compreendidos pelos outros cães. 


Os americanos gastam mais dinheiro em comida de cão do que em comida de bebê. 


Dois cães sobreviveram ao naufrágio do Titanic. Escaparam nos primeiros botes salva-vidas, que levavam tão pouca gente que ninguém se importou que eles lá estivessem. 


Quando os cães têm dores de estômago, comem grama para vomitar.


Os cães machos urinam com muito mais frequência do que as cadelas. Isso porque a urina também age, em parte, como marcador de seu território.


Na hora da refeição, o cão é mais receptível a ensinamentos. Um filhote aprende mais rápido seu nome quando você o chama para se alimentar. 


A menor raça de cão é o Chihuahua cujo peso reconhecido se encontra entre 90 gramas até 2,75 kg.


As raças mais altas de cães são o Grand Danois, o Wolfhound Irlandês, o São Bernardo, o Mastim Inglês, o Borzoi e o Karabash da Anatólia (cão pastor turco). Todas essas raças podem chegar a 90 cm de altura.


O Museu da História Natural, na Cidade do México, possui um esqueleto de um Chihuhua que mede apenas 18 cm. Apesar de não estar citado o peso deste cão, apresentado em 1910, calcula-se que não poderia ter pesado mais de meio quilo.


Os cães da raça grandes têm um aparelho digestivo muito sensível. O menor stress pode causar amolecimento das fezes ou diarreias.


O segundo cão menor é o Yorkshire Terrier que, oficialmente, não deve pesar mais do que 3,20 kg, embora atualmente muitos “Yorkies” tendam a ser muito mais pesados.


O aparelho digestivo de um cão de raça pequena representa 7% de seu peso total, contra somente 2,7% para um cão de raça grande. 


O cão somente torna-se maduro ao atingir um ano e meio de vida, ou às vezes até mais.


O Greyhound é uma raça pura usada na caça desde o tempo dos Romanos.. Hoje em dia é criado de acordo com as linhas distintas para exposição.


Quando adulto um cão de raça pequena atinge 20 vezes o seu peso de nascimento, enquanto o cão de raça grande ou gigante poderá atingir 100 vezes.


Houve um cão que era tão leal ao dono que, quando este morreu, ele nunca saiu de perto da cama. Apenas saía para ir buscar comida e voltava para comer ao pé do dono, como era costume. O cão passou o resto dos seus dias ali. Quando morreu foi enterrado ao lado do dono.


O cão de guarda húngaro Kuvasz não é geneticamente um cão branco. O Kuvasz é um cão preto com pelo branco.


Geralmente, a boca de um cão tem menos bactérias e germes do que a boca de um humano.


Há mais de 52.6 milhões de cachorros nos Estados Unidos.


As raças mais velozes do mundo são greyhound (ou galgo inglês) e whippet (também inglês), uma “raça-miniatura” do primeiro. Eles são capazes de atingir incríveis 80 quilômetros por hora. A fama de corredor do greyhound fez da raça uma das preferidas para a caça e para a corrida de cachorros em muitos países. 


As raças de cães com a mordida mais forte são: mastin inglês, rottweiller e fila brasileiro. Eles tem a mandíbula mais curta e forte (que funcionam como alicates) e são normalmente usados como cães de guarda. 


Os cães mais inteligentes são, pela ordem: border collie (uma raça de pastoreio britânica), pastor alemão, poodle, golden retriever e dobermar pinsher. 


E as raças mais burras, quais são? Anote aí: afghan hound, basenji, buldogue, chow chow e borzoi. 


As raças mais altas são o são bernardo, o grand danois, o mastim inglês, o wolfhound irlandês, o borzoi e o karabash da Anatólia (uma espécie de cão pastor turco). Todas elas alcançam em média os 90 cm de altura.


O hábito de enterrar ossos e objetos, que são comuns a muitos cachorros, foi herdado de seus ancestrais lobos. Por uma questão de sobrevivência, os lobos costumam enterrar sobras de alimentos para os tempos de escassez de caça. 


O primeiro cão a ser enviado para o espaço foi uma cadelinha soviêtica chamada Laika. A viagem foi feita em 1957 e, infelizmente, não teve um final feliz: Laika não resistiu à viagem e morreu. 


O dobermann surgiu do cruzamento de quatro raças feitas pelo coletor de impostos alemão Karl Friedrich Dobermann (1834-1894). Na certa, ele queria se defender dos furiosos devedores. 


O rottweiller é uma raça mais antiga do que se imagina. Só para se ter uma idéia, ele já era usado como cão de pastoreio pelas legiões romanas. 


Na China, o chow chow é usado como cão de caça e o sharpei como cão de lutas (rinhas).


Por que os cães costumam cheirar o rabo dos outros animais? Por causa de uma glândula na região do ânus que identifica cada animal. O odor serve como uma espécie de impressão digital que fornecem informações sobre o bicho. 


O cães riem? A pesquisadora norte-americana Patricia Simonte acredita que sim. Segundo ela, a respiração ofegante típica dos momentos de agitação é uma manifestação de que o animal está satisfeito e alegre. Em outras palavras, quer dizer que o cão está rindo. 


Como saber se um cão está com medo? Simples, eles colocam o rabo no meio das pernas. Caso isso aconteça, é melhor tomar cuidado. Qualquer movimento brusco pode fazer o animal revidar e atacar. 


Como saber se o cão é amistoso? Mais simples ainda: quando ele abana o rabo de modo relaxado e continuo. 


Como um cachorro demostra submissão? Virando de barriga para cima. 


E a lambida, qual o significado dela? Lamber um animal da própria espécie é um gesto de reverência. O animal está dizendo que gosta do outro. Os cães acabaram reservando esse gesto também para os seres humanos. 


Cães de orelhas grandes, caídas e peludas tem mais chances de desenvolver otites (inflamação nos ouvidos), do que cães com orelhas pequenas e/ou eretas. 


Doenças humanas que também são comuns nos cães: diabetes, derrame, catarata, hepatite, hipertireoidismo e outras. 


As raças de cães mais populares na cidade de São Paulo são pitbull, pinscher, poodle e… o campeão, com 15% das preferências: vira-lata. 


Os cães mais famosos da ficção (quadrinhos, desenhos animados e filmes) são: Pluto, Banzé, Bidu, Idéiafix (o cãozinho de Obelix), Lassie, Rin-tin-tin, Snoopy, Milu (de As Aventuras de Tim-Tim), Floquinho e os 101 Dálmatas.



extraído do Blog Korvo Maluco


   

  


12.12.12

F R E N T E


Façamos agora nossa parte! 
Revolução é palavra que em nós arde; 
Então, que encaremos o perigo! 
Nada mais tem sentido! 
Transformar,  Evoluir; 
Está na hora de mudar! 


Renato Curse              setembro de 2.007

* Pode ser lido de trás para frente.


5.12.12

1.12.12

A morte de Joelmir Beting




Joelmir José Beting (Tambaú, 21 de dezembro de 1936 — São Paulo, 29 de novembro de 2012) foi um jornalista e sociólogo brasileiro. Profissional de grande contribuição para o jornalismo, a economia e a comunicação, foi pioneiro na tradução dos difíceis termos técnicos da economia para a vida cotidiana.


Biografia
Nascido em Tambaú, interior de São Paulo, começou a trabalhar nas plantações da propriedade de sua família aos sete anos. "A minha origem é, de certa forma, de boia-fria", lembraria o jornalista em entrevista à revista Imprensa em julho de 2012. Depois de ser coroinha na igreja da cidade, o padre Donizetti Tavares de Lima arrumou-lhe o primeiro emprego, na rádio de Tambaú, aos quinze anos.


Formação acadêmica
Aos dezenove anos de idade, Beting foi para São Paulo onde estudou Sociologia na Universidade de São Paulo, na mesma turma de nomes como Ruth Cardoso e Francisco Weffort.


Carreira
Em 1957, durante o período universitário, iniciava sua carreira jornalística, como repórter esportivo nos jornais O Esporte e Diário Popular. Deixou a área esportiva dois anos depois, quando deixou sua paixão pelo Palmeiras falar mais alto na transmissão de um Derby Paulista pela Rádio Panamericana e quase foi agredido pela torcida corintiana.
Foi contratado em 1966 pela Folha de S. Paulo para lançar a editoria de Automóveis, fruto da repercussão de sua tese do curso de Sociologia ("Adaptação da mão de obra nordestina na indústria automobilística de São Paulo"), que fora publicada pelo Diário Popular na íntegra. Dois anos depois lançou a editoria de Economia do mesmo jornal, lançando uma coluna diária a partir de 1970. A coluna tornou-se célebre por desmistificar a economia numa época de inflação astronômica e reiteradas medidas desastradas do governo. É de lá que nasceram alguns dos "bordões" de Joelmir, como "Quem não deve não tem" e "Na prática, a teoria é outra".
Paralelamente à coluna na Folha (que transferiu para O Estado de S. Paulo em 1991), Joelmir passou, ainda em 1970, a participar de programas de rádio, na Jovem Pan, e de televisão, na Record, onde se tornaria conhecido do grande público, com suas participações nos telejornais da Rede Globo, onde permaneceu entre agosto de 1985 e julho de 2003. O início na TV foi em 1970, com o programa Multiplicação do Dinheiro, que funcionava como uma mesa-redonda sobre assuntos econômicos, com participação dos economistas Eduardo Suplicy e Miguel Colassuono. Em 1974 foi contratado pela Rede Bandeirantes, onde ficaria até a sua estreia na Globo. Na Band, ancorou o Jornal Bandeirantes, ao lado de Ferreira Martins, além de fazer comentários de economia e reportagens especiais.
O mesmo aconteceu na Rádio Bandeirantes, onde fazia um comentário diário no programa O Trabuco, de Vicente Leporace. Com a morte deste, em abril de 1978, juntou-se a José Paulo de Andrade e Salomão Ésper para apresentar o Jornal Gente, criado no dia seguinte ao acontecido. O trio voltaria a reunir-se em 2003, quando Joelmir foi novamente contratado pela Bandeirantes. Entre os anos 1980 e 1990 foi também comentarista das rádios Excelsior e CBN. No início do canal por assinatura Globonews, em 1996, foi um dos apresentadores do programa Espaço Aberto.
Alguns de seus mais célebres trabalhos na TV são o primeiro debate entre candidatos a eleições, na Band, e a entrevista com os membros da equipe econômica de Fernando Collor em março de 1990, quando Zélia Cardoso de Mello e Ibrahim Eris, entre outros, foram surpreendidos por Joelmir, Lilian Witte Fibe e Paulo Henrique Amorim, então especialistas em economia da emissora. Quando Amorim detalhou uma das principais medidas do Plano Collor, o confisco, Joelmir teve uma curiosa reação, como descrita pela revista Imprensa: "Encarando a câmera, [ele] arregalou os olhos e escancarou a boca, como se informasse, bem didaticamente, a reação apropriada para a medida: espanto." A imagem seria usada pelo Jornal do Brasil no dia seguinte, sob a manchete "A cara da nação".
É atribuída a Joelmir a ideia de premiar Pelé com uma placa comemorativa em homenagem a um de seus mais belos gols, feito no Maracanã contra o Fluminense. Desse fato surgiu a expressão "Gol de Placa", sempre dita pelos profissionais de futebol do país quando descrevem um gol de rara beleza e muito difícil de ser feito.


Morte
Joelmir morreu em 29 de novembro de 2012 em São Paulo, em decorrência de um AVC Hemorrágico, no Hospital Albert Einstein, após passar mais de um mês internado para tratar de doença autoimune. Tinha dois filhos, Gianfranco, publicitário e especialista em aviação, e Mauro, jornalista e comentarista esportivo da Rede Bandeirantes. Sua morte foi anunciada aos ouvintes da Rádio Bandeirantes pelo filho Mauro, durante a cobertura pós-jogo da partida entre São Paulo e Universidad Católica, pela Copa Sul-Americana.
Quando morreu, exercia a função de editor e comentarista econômico do Jornal da Band, apresentado por Ricardo Boechat, participava do Jornal Gente e do Jornal Três Tempos, da Rádio Bandeirantes, além do programa esportivo Beting&Beting, com seu filho Mauro e seu sobrinho Erich, no canal fechado BandSports. Fazia também comentários para o Primeiro Jornal e o Jornal da Noite, na Band, e para o canal de notícias BandNews. Joelmir também apresentava o Canal Livre.


O caso Bradesco
O jornalista foi centro de uma polêmica em 2003 ao aceitar convite do Bradesco para participar de uma campanha publicitária. Os jornais onde ele mantinha coluna, O Estado de S. Paulo e O Globo, consideraram a prática incompatível com o exercício de jornalista e suspenderam a publicação de sua coluna diária. Em 4 de dezembro Joelmir publicou um artigo intitulado "Posso falar?", em que deu explicações acerca do episódio. Joelmir alegou que o produto que vendia aos jornais era "um produto isolado, tido como de boa qualidade e isento". No mesmo texto, afirmou também que "o jornalismo não deveria se envergonhar da publicidade". Na entrevista à Imprensa em julho de 2012 Beting disse que já tinha comunicado à época que iria deixar de escrever as colunas nos jornais, por estar "sobrecarregado". Teria sido apenas depois de essa notícia se espalhar pelo mercado que surgiu o convite do Bradesco. "Os jornais já sabiam que a coluna ia parar, assim como já sabiam que eu não fazia mais televisão", explicou. A coluna seguiria sendo distribuída pela Agência Estado para cerca de trinta jornais até janeiro de 2004, quando resolveu suspendê-la depois de 34 anos.
A partir desse episódio, Joelmir dedicou-se prioritariamente ao rádio e à TV, além de manter sua agenda como palestrante e debatedor de assuntos macroeconômicos.



Fonte: Wikipédia  



O site oficial do Palmeiras, comunicou com pesar, o fato:

Agência Palmeiras
Thiago Kimori
29/11/2012 09h53


Durante a madrugada desta quinta-feira (29), à 0h55, uma notícia entristeceu os fãs de Joelmir Beting. O jornalista e palmeirense não resistiu aos problemas de saúde e faleceu na cidade de São Paulo. Por causa de complicações renais, Joelmir estava internado no hospital Albert Einstein desde o dia 22 de outubro e, no último domingo (25), teve o seu quadro clínico agravado após sofrer um acidente vascular encefálico hemorrágico, que o deixou em coma e respirando com a ajuda de aparelhos.

Palestrino fanático, Joelmir, que estava com 75 anos de idade, foi o autor desta frase inesquecível: "Explicar a emoção de ser palmeirense, a um palmeirense, é totalmente desnecessário. E a quem não é palmeirense, é simplesmente impossível".

Aos familiares e amigos do ilustre palestrino, a Sociedade Esportiva Palmeiras presta todo o apoio e solidariedade. Infelizmente, o guerreiro Joelmir Beting não conseguiu vencer essa batalha tão difícil, porém, sem dúvidas, ele estará presente eternamente na história do Verdão e do jornalismo brasileiro. Lamentamos o falecimento deste grande palmeirense e nos orgulhamos de tê-lo como torcedor.

#ValeuJoelmir


Clique AQUI para acessar todas as matérias referentes ao Palmeiras