2.11.12

O dia em que a Argentina foi Palmeiras




Em janeiro de 1948, Boca Juniors e River Plate vieram a São Paulo, realizar amistosos contra as equipes da capital. O River chamou atenção especial do público e da imprensa, pois se tratava de "La Máquina", apelido dado à melhor equipe da história do futebol argentino. Um esquadrão de craques que dominou os anos 40, e que infelizmente [para eles...] não pode registrar seu nome na história das Copas, já que as de 42 e 46 foram suspensas, e em 1950 a Argentina boicotou a Copa realizada no Brasil.
Aqui estavam para jogar pelos times argentinos, entre outros: José Manuel Moreno, considerado por muitos especialistas que o viram jogar, como o melhor jogador argentino de todos os tempos. Cinco vezes campeão nacional, marcou 179 gols em 321 partidas.
Angel Labruna, mais do que o craque referência do River Plate, é considerado hoje, e já à época, uma verdadeira lenda do futebol Sul-americano.
Alfredo Di Stefano, eleito pela Revista France Football como o melhor jogador da Europa de todos os tempos, Campeão Europeu de Clubes pelo Real Madrid em 5 oportunidades consecutivas, Campeão Mundial, jogou em 3 seleções nacionais e é um dos 5 melhores jogadores da história do futebol, além de ter sido nomeado Presidente de Honra do Real Madrid.
Aproveitando a estada dos argentinos em São Paulo, foi marcada uma espécie de tira-teima. Os dois grandes times argentinos contra o "Trio de Ferro", expoente máximo do futebol paulista, ou seja, uma verdadeira Seleção Paulista, contra um combinado "Boca-River", uma verdadeira Seleção Argentina. A Seleção Paulista chegou ao Pacaembu preparada para jogar com uniforme todo branco, neutro, enquanto que do outro lado surgiu o impasse. Os jogadores do River se negavam a vestir a camisa do Boca, e vice-versa. A rivalidade impedia tal heresia. À última hora, por interferência do craque Palmeirense, mas Argentino de nascimento, Bóvio, os portenhos decidiram jogar com a camisa do Palmeiras.

Assim, em 21 de Janeiro de 1948, uma verdadeira Seleção Argentina, uma das melhores de sua história entrou no Pacaembu, vestindo o uniforme do Palmeiras, num momento histórico do futebol mundial. É fato que, num certo momento da partida, o ataque com a camisa alvi-verde foi aquele que é considerado uma poesia para os apreciadores da velha guarda futebolistica: BOYE, MORENO, DI STEFANO, LABRUNA e LOSTAU, além de NESTOR ROSSI na "meia cancha", YACONO na defesa e o célebre CARRIZO no gol. Di Stefano, então o melhor jogador do mundo, comandou o ataque com a camisa Palmeirense e ainda fez um gol. O resultado final da partida foi 1x1 e os jornais do dia seguinte comentaram o extraordinário espetáculo técnico acontecido no Pacaembu, na noite de 21 de janeiro de 1948.

Paulistas: Oberdan Caieira (Renganeschi) e Noronha (Turcão) Rui, Zezé Procopio e Valdemar Fiume. Cláudio Cristovão Pinho, Ieso Amalfi, Servilio, Canhotinho e Teixeirinha (Remo)

Argentinos: Diano (Carizzo) Maranti e Dezorzi Yacono, Nestor Rossi (Castelar) e Ramos Boye, Moreno (Corquera), Di Stefano (Sarlanga) , Labruna (Lostau) e Pin

Gols: Servilio e Di Stefano
Árbitro: Artur Janeiro
Arrecadação: cr$ 461.130,00
Local: Pacaembu.

Fonte: Site Museu dos Esportes


PALMEIRAS 1948



Clique AQUI para acessar todas as matérias referentes ao Palmeiras




Nenhum comentário:

Postar um comentário