24.3.15

Fabbi, um ídolo quase esquecido


Matturo Fabbi, ou simplesmente Fabbi, jogou no Palestra Itália de 1915 a 1925.

Filho de legítimos italianos, nasceu no dia 11 de dezembro de 1894, em São Paulo.

Apesar de nunca aparecer no rol de ídolos do Palestra/Palmeiras, Fabbi é sem dúvida um dos jogadores mais importantes da história do clube. 

Em 1912, quando jogava no segundo quadro do Corinthians, um jogador da reserva havia prometido uma bandeira ao clube desde que fosse escalado como titular. Coube a Nani, irmão de Fabbi, a incumbência de escolher qual jogador sairia do quadro principal.  Acontece que Nani sacrificou seu próprio irmão! Revoltado, Fabbi pediu demissão do clube e parou de pagar seu recibo mensal de três mil réis (na época quase todos os jogadores pagavam essa quantia para garantir vaga no time). 
Em seguida Fabbi foi jogar no Concórdia, time que mandava seus jogos no Parque Antarctica e que disputava um campeonato na parte da manhã contra equipes como União da Lapa, Jaceguai, São Paulo Railway (atual Nacional), entre outros. 

Fabbi era um amante da vida noturna e dos bailes, muito comuns na noite paulistana naqueles tempos. 
Ingressou na Sociedade Recreativa Palestra Itália e em pouco tempo ganhou bastante fama no lugar, fundado e frequentado pela grande colônia italiana de São Paulo. Fabbi, além de atleta, era um ótimo dançarino. 
Quando a equipe do Torino, da Itália,  esteve no Brasil em 1914 para enfrentar o Corinthians, o pessoal da Sociedade Recreativa esteve em peso para acompanhar seus compatriotas, inclusive Fabbi e o secretário do clube, o jovem idealista Luiz Cervo. A empolgação tomou conta da comunidade italiana e principalmente de Cervo que, de imediato sugeriu a criação de um departamento esportivo no clube, mais especificamente de futebol. 
Houve certa rejeição e resistência no início, mas enfim, na noite de 26 de agosto de 1914, foi fundada oficialmente a Società Sportiva Palestra Italia. Enquanto os bailes ocorriam normalmente, Cervo e seus companheiros empenhavam-se na busca de jogadores que pudessem ajudar na composição de um time que não fizesse feio em seu primeiro jogo. 

Apesar de não ter participado da partida inaugural do clube, Fabbi, grande amigo de Cervo e também de muitos jogadores que atuavam em outros times (a maioria na Associação Atlética das Palmeiras e no Corinthians), começou a convidá-los para fazer parte do elenco palestrino, especialmente os que eram de origem italiana. Vários deles atenderam o pedido, inclusive 5 amigos que jogavam no Corinthians: Fúlvio, Police, Américo e os 2 mais talentosos que formaram o primeiro quadro do Verdão: Amílcar e Bianco. E assim, na tarde dominical de 24 de janeiro de 1915, em Votorantim, o Palestra Itália derrotou o Savoia por 2 a 0 e conquistou sua primeira taça, a Savoia. 

No segundo jogo, dia 29 de junho, lá estava Fabbi, atuando ao lado de Bianco e defendendo pela primeira vez as cores do Palestra. Mas dessa vez o time não foi feliz e acabou derrotado pelo forte Paulistano por 4 a 1. 

Em 1916, com o ingresso do Palestra Itália no Campeonato Paulista, ao lado de Cervo, Fabbi conseguiu convencer alguns amigos bons de bola a integrar o time, entre eles, Vescovini (ex-Paulistano), Grimaldi, Bertolini, Picagli, entre outros. Nessa época Bianco incorporou-se de vez no elenco. À partir de então o time dos italianos começou a ganhar fama e respeito. 

Em 11 de abril de 1920, em partida amistosa contra o Brasil de Pelotas-RS, Fabbi fez seu centésimo jogo com a camisa do Palestra. Nesse mesmo ano ajudou o clube a conquistar o primeiro Campeonato Paulista de sua história. Ele ficou de fora em apenas 5 dos 18 jogos da campanha (inclusive da final contra o Paulistano, o qual o time venceu por 2 a 1 - ele estava contundido). 
Aliás, o único gol que Fabbi fez com a camisa do Verdão foi na goleada de 7 a 0 sobre o Mackenzie, naquele mesmo campeonato paulista. E foi um gol especial já que naquele histórico 16 de maio de 1920, o Palestra Itália fazia seu primeiro jogo como proprietário do Parque Antarctica (oficialmente adquirido no dia 27 de abril). 


Fabbi em 1962
Fabbi é tão importante na história do Palmeiras que, das mais de 350 taças que o clube possui no futebol (com a equipe principal), o médio-esquerdo participou diretamente da conquista de 59 delas (mais que um sexto!); 56 como jogador e 3 como técnico! Naqueles tempos, com a existência apenas do campeonato estadual, as equipes costumavam promover amistosos e festivais  que envolviam premiação em dinheiro e com uma taça que simbolizasse a vitória. E essas taças (e troféus) eram disputadas arduamente pelos times. Por isso são tão importantes na história dos clubes. Se não houvesse tais disputas, certamente o futebol não teria se expandido com tanta facilidade, afinal,  um dos motivos principais dos torneios era a propagação do futebol, afim de conquistar mais sócios e simpatizantes para os clubes envolvidos. E o Palestra Itália dificilmente perdia uma taça, mesmo na condição de visitante. 

E foi assim que Fabbi encerrou seu ciclo no time principal do Palestra: conquistando uma taça. No dia 15 de fevereiro de 1925, na goleada por 6 a 2 sobre o São Bento, no campo da Chácara da Floresta, o médio-esquerdo fez seu último jogo pelo seu clube do coração, ajudando a conquistar a Taça Guilherme Aprá. 
Na ocasião, aos 30 anos, por causa de problemas no menisco, Fabbi pendurou as chuteiras. Em mais de 10 anos de casa, disputou 148 jogos pelo Verdão. E continuou ligado ao clube mesmo após se aposentar. 


Fabbi comandando o Palestra em 1937
 Em 1936, agora na função de técnico do  time, Fabbi ajudou a conquistar o  Campeonato Paulista daquele ano. Um  título especial, já que foi o primeiro  Paulistão conquistado sobre o arquirrival  Corinthians. Foram três jogos para decidir  quem ficaria com a taça. No primeiro o  Palestra venceu por 1 a 0, com direito ao  rival abandonando o gramado aos 31  minutos do segundo tempo, inconformado  com o gol do Verdão. No segundo  confronto, os dois times não saíram do 0 a  0. Mas, na final, dia 9 de maio de 1937, o  time comandado por Fabbi derrotou o Corinthians por 2 a 1 e sagrou-se campeão. 
Ao fim daquele ano Fabbi encerrou sua carreira de técnico com um aproveitamento de quase 75%: em 65 jogos (entre 24 de maio de 1936 a 23 de dezembro de 1937) foram 45 vitórias, 11 empates e apenas 9 derrotas. 

Por tudo isso, Fabbi merecia figurar indiscutivelmente no rol dos maiores ídolos da história do Palmeiras. 
Uma pena que o tenham quase esquecido.


Veja abaixo a lista de todas as taças conquistadas (além do Paulistão 1920) com a participação direta de Fabbi, ou seja, com ele jogando no time titular:

Taça Ludovico Bacchianni (1916)
Taça Cidade de Taubaté (1916)
Taça Circolo Italiano Uniti (1916)
Taça Comendador Gaetano Pepe (1917)
Taça Pró-Pátria, Festival de Santos (1917)
Taça Talá (1917)
Taça José Castelhano (1917)
Taça Sudan (1917)
Troféu Café Java (1917)
Taça Henrique Catalano (1917)
Taça Estrela (1917)
Taça Amyris (1917)
Taça Luciano (1917)
Taça Jornal do Comércio (1918)
Taça dos Cronistas Esportivos (1918) *contra o Corinthians, em 2 jogos (foi a primeira de tantas conquistas do Palestra sobre o arquirrival)
Torneio de Outono (1918)
Taça Campinas (1918)
Taça Nociti (1918)
Taça Initium (1918)
Troféu América Paulista (1918)
Taça Diário Popular (1918)
Taça Touring (1918)
Taça Cruz Vermelha (1918)
Taça Falchi (1918)
Troféu Frederico Steidell (1918)
Taça Stadium Paulista (1918)
Taça Colônia Italiana (1918)
Taça de Prata (1918)
Taça Confraternização dos Povos (1919)
Taça Gennaro Falci (1919)
Taça Stadium Paulista (1919)
Taça Beirute (1919)
Troféu Comércio de São Carlos (1919)
Taça Pinoni (1919) * contra o Corinthians, em 3 jogos
Taça Montenegro (1919)
Taça 20 de Setembro (1919)
Taça Cruz Vermelha Brasileira (1919)
Taça Pietro Ruggeri (1920)
Taça Matarazzo (1920)
Taça Benedito Montenegro (1920)
Taça Holnberg e Beck (1920)
Taça Charitas (1920)
Troféu Rio de Janeiro (1920)
Taça Unioni dei Viaggiatori Italiani (1921)
Taça Catalani (1921)
Taça Societa Italiana di Mutuo Soccorso (1921)
Taça Competência (1921)
Taça Italiani (1921)
Taça FIDES (1922)
Taça Itapira (1922)
Taça Piracicaba (1922)
Taça Guarani (1922) * a primeira taça internacional do Palestra (goleou a Seleção do Paraguai por 4 a 1)
Taça General Caviglia (1922)
Taça Altivez (1924)
Taça Guilherme Aprá (1925)



Taças conquistadas pelo Palestra com Fabbi no comando técnico (além do Paulistão 1936):

Torneio de Porto Alegre (1936)
Torneio de Campeões São Paulo-Bahia (1936)




texto e pesquisa pessoal: Renato Curse



Clique AQUI para acessar todas as matérias referentes ao Palmeiras





2 comentários: