3.2.12

Amor em Hipérbole



Se algum dia caírem as estrelas do céu
quero estar atento para pegar ao menos uma;
cercá-la de flores, de cores e plumas
e dar-te embrulhada num delicado véu.



E se algum dia emergirem à superfície do mar
todas as arcas e tesouros enterrados,
mesmo que somados ou 
milhões de vezes multiplicados,
não fariam soma diante do amor 
que tenho pra te dar.



E se ao nosso impávido sol de repente faltar calor
e assim não mais possamos ver as coisas na rua,
e nem tampouco o clarear da majestosa lua,
acenderemos nosso mundo com o fogo desse amor.



E, se por ventura algum dia
eu tivesse um poder tão forte e soberano
de fazer ecoar pelos quatro cantos do mundo,
em tom ensurdecedor, estridente e profundo,
eu lhe diria com todas as letras:
EU  TE  AMO!



Renato Curse              fevereiro de 2.000


2 comentários:

  1. Misericórdia. Não lia algo tão lindo há meses. s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Fiquei até lisonjeado.

      Excluir